Imprimir

Testes de ADN podem prever inteligência, mostra...

Publicado em por

Testes de ADN podem prever inteligência, mostram cientistas

Testes de ADN podem prever inteligência, mostram cientistas

A inteligência poderá ser medida com uma zaragatoa de saliva ou gota de sangue, mostram os cientistas pela primeira vez, e dizem ainda que o QI de uma pessoa pode ser predito apenas a estudar o seu ADN.

 

No maior estudo sobre a base genética para a inteligência, investigadores da Universidade de Edimburgo e da Universidade de Harvard descobriram centenas de novos genes ligados ao poder cerebral.

 

Estudos anteriores sugeriram que entre 50% e 75% da inteligência é herdada, e o resto vem da educação, grupos de amizade e convivência. Essa figura foi calculada pelo estudo de gémeos idênticos que compartilhavam o mesmo ADN, portanto, quaisquer diferenças no QI entre elas não deviam ser genéticas.

 

Mas ninguém sabia quais seriam os "genes inteligentes".

 

Agora, ao estudar os dados genéticos de mais de 240 mil pessoas, os cientistas encontraram 538 genes que estão ligados à inteligência.

 

Os investigadores foram até capazes de prever a inteligência apenas com base no ADN de uma pessoa, um avanço que potencialmente poderia ajudar os médicos a diagnosticar uma habilidade cognitiva ou permitir que as crianças recebessem uma educação com base nas suas habilidades inatas.

 

O Dr. David Hill, do Centro de Envelhecimento Cognitivo e Epidemiologia Cognitiva da Universidade de Edimburgo (CCACE), que liderou a pesquisa, disse: "O nosso estudo identificou um grande número de genes ligados à inteligência. "Também fomos capazes de prever a inteligência num outro grupo a usar apenas o ADN deles".

 

O estudo também mostrou que os mesmos genes que influenciam a inteligência também estão ligados a outros processos biológicos, como a longevidade.

 

Embora se saiba que as pessoas inteligentes vivem mais tempo, geralmente se supunha que o vínculo seria devido a causas sociais, como uma educação melhor, levando a um emprego melhor remunerado, o que traria um padrão de vida mais alto e uma vida mais saudável.

 

Mas a nova pesquisa sugere que as pessoas inteligentes sejam biologicamente mais aptas.

 

A equipa também descobriu que os genes associados aos poderes de resolução de problemas foram associados ao processo pelo qual os neurónios transportam sinais de um lugar para outro no cérebro.

 

"Nós mostramos que dois processos biológicos,  a neurogénese, o processo pelo qual novas células cerebrais são criadas, e a mielinização do sistema nervoso central estão associados a diferenças de inteligência", acrescentou Dr Hill.

 

"E algumas das variantes genéticas que estão ligadas a um aumento da inteligência também estão ligadas a um aumento na esperança média de vida".

 

O investigador principal do estudo, Professor Ian Deary, também da CCACE, disse: "Sabemos que ambientes e genes contribuem para as diferenças que observamos na inteligência das pessoas.

 

"Este estudo acrescenta ao que sabemos sobre quais genes influenciam a inteligência e sugere que a saúde e a inteligência estão relacionadas, em parte, porque alguns dos mesmos genes os influenciam".

 

O estudo foi publicado na revista Molecular Psychiatry.

Comentários: 0

Este tema encontra-se fechado. Não podem ser adicionadas mais respostas.