A História do ADN - Parte I - 1800 A 1900 - Cód...

Publicado em por

A História do ADN - Parte I - 1800 A 1900 - CódigoADN

A História do ADN - Parte I - 1800 A 1900 - CódigoADN

 

1859 - Charles Darwin publica a origem das espécies

 

Em 1859, Charles Darwin publicou The Origin of Species - A Origem das Espécies, mudando a forma como muitas pessoas viam o mundo.

1859

 

Em 1831,  Darwin juntou-se a uma expedição científica de cinco anos. Durante o seu tempo, foi influenciada pela sugestão de Lyell de que os fósseis encontrados nas rochas eram evidências de animais que inham vivido há milhões de anos atrás. A descoberta surgiu quando, atracou nas  Ilhas Galápagos e observou que esta tinha a sua própria variedade de aves.

Apesar de haver uma relação muito próxima com os que já conhecia, estes apresentavam pequenas diferenças que, parecia, uma adaptação em resposta aos seus ambientes individuais.

 

Ao regressar à Inglaterra, Darwin propôs a teoria da evolução que ocorreu pelo processo de seleção natural, em que trabalhou nos 20 anos seguintes. A origem das espécies foi o culminar destes esforços e defendeu que os seres vivos mais adequados ao seu meio ambiente são mais propensos a sobreviver, reproduzir e transmitir as suas características para as gerações futuras. Isto levou uma espécie a mudar gradualmente ao longo do tempo. Embora o seu estudo contenha alguma verdade, muitas áreas, como o vínculo entre a evolução humana e animal, são falsas através de novas descobertas de antepassados.

O livro era extremamente controverso, pois desafiava a visão dominante do período, em que muitas pessoas acreditavam literalmente que Deus criara o mundo em sete dias. Também sugeriu que as pessoas eram animais e que poderiam ter evoluído a partir de macacos, esta parte de seu trabalho mostrou-se imprecisa. 

 

 

1866 - Gregor Mendel descobre os princípios básicos da genética

 

Em 1866, um monge desconhecido foi a primeira pessoa a esclarecer o modo como as características são transmitidas pelas gerações. Hoje, é formalmente aceite

1966

 como o pai da genética. No entanto, ele não teve tal notoriedade durante a sua vida. Com as suas descobertas, em grande parte, passando pela comunidade científica. Na verdade, estava tão à frente do seu tempo que foram necessárias três décadas para que o seu artigo fosse levado a sério.

Entre 1856 e 1863, Mendel realizou experiências em plantas de ervilhas, tentando cruzar linhas "verdadeiras" com combinações específicas. Identificou sete características: altura da planta, forma e cor da vagem, forma e cor da semente e posição e cor da flor.

Descobriu que quando uma planta de ervilha amarela e uma planta de ervilha verde eram criadas, a sua prole (descendência) era sempre amarela. No entanto, na próxima geração de plantas, as ervilhas verdes acabaram por aparecer novamente numa proporção de 3: 1.

Mendel inventou os termos "recessivo" e "dominante" (hoje conhecidos por genes recessivos e dominantes) em relação aos traços, para explicar este fenômeno. Assim, no exemplo anterior, o traço verde era recessivo e o traço amarelo era dominante.

No seu artigo publicado em 1866, Mendel descreveu a ação de fatores "invisíveis" no fornecimento de características visíveis de maneira previsível. Agora sabemos que os traços "invisíveis" que ele identificou eram genes.

 

 

1869 - Friedrich Miescher identifica "nucleína"

1869

Em 1869, o químico fisiológico suíço Friedrich Miescher identificou pela primeira vez o que ele chamou de "nucleína" nos núcleos de células brancas do sangue humano, que hoje conhecemos como ácido desoxirribonucleico (ADN).

O plano original de Miescher tinha sido isolar e caracterizar os componentes dos glóbulos brancos. Para fazer isso, tomou providências para que numa clínica cirúrgica local lhe enviasse ligaduras saturadas de pus, que ele planeava lavar antes de filtrar os glóbulos brancos e extrair as suas várias proteínas.

No entanto, durante o processo, ele encontrou uma substância que apresentava propriedades químicas incomuns ao contrário das proteínas que ele procurava, com um alto teor de fósforo e uma resistência à digestão das proteínas.

Miescher rapidamente percebeu que havia descoberto uma nova substância e sentia a importância das suas descobertas. Apesar disso, foram necessários mais de 50 anos para a comunidade científica em geral aceitar o seu trabalho.

 

> A HISTÓRIA DO ADN - PARTE II [1900 A 2000]

> A HISTÓRIA DO ADN - PARTE III [2000 A 2017]

 

 

Comentários: 0

Este tema encontra-se fechado. Não podem ser adicionadas mais respostas.