Blog, Noticias, Legislação e Recursos para testes de ADN - Código ADN
Mostrar conteúdo actual em RSS feed

Blog, Noticias, Legislação e Recursos para testes de ADN - Código ADN

Recursos, Noticias, legislação e curiosidade sobre teste de adn e paternidade. Avanços na genética e nos testes de adn disponibilizados ao consumidor final. 


41 - 50 de 124 resultados
Publicado em por

A história dos testes de adn

Ler contributo inteiro: A história dos testes de adn

O teste de ADN é uma poderosa ferramenta para identificação. Com a tecnologia de hoje, os testes de ADN podem identificar indivíduos com quase 100% de certeza.

A identificação nem sempre foi tão conclusiva. Antes dos testes de ADN, a comunidade científica usou outras ferramentas biológicas para identificar pessoas e determinar relações biológicas. Estas técnicas, que incluíram tipagem de sangue, testes sorológicos e testes de HLA, foram úteis para muitos testes diferentes (como combinar doadores de sangue e tecido com recetores e reduzir a taxa de rejeição para pacientes transplantados), mas não foram conclusivos para identificação e determinação relações biológicas.

 

Com a introdução de testes de ADN no final da década de 1970 e início da década de 1980, os cientistas viram o potencial dos testes mais poderosos para identificação e determinação de relacionamentos biológicos. Graças aos testes de ADN, agora podemos determinar definitivamente a identidade de indivíduos e dos seus parentes biológicos.

 

A seguir apresentamos a história dos teste de ADN desde os primeiros dias até a mais recente tecnologia em testes de ADN.

 

002_teste_de_adn_por_sangue

1920: Tipo de Sangue

No início da década de 1920, os cientistas identificaram 4 tipos de sangue diferentes em seres humanos - A, AB, B e O - com base na presença de certas proteínas no sangue. O sistema de sangue, chamado sistema ABO, forneceu aos médicos informações críticas sobre os seus pacientes, permitindo que eles realizassem procedimentos médicos seguros, como transfusões de sangue, combinando os tipos de sangue do dador e do recetor.

 

Os cientistas perceberam que os tipos de sangue eram herdados biologicamente e podiam prever o tipo de sangue da criança com base no tipo de sangue dos pais biológicos. Por outro lado, se um dos tipos de sangue dos pais fosse desconhecido, pode-se usar o tipo de sangue da criança e o pai conhecido para identificar o tipo de sangue do pai desaparecido. No entanto, uma vez que a informação da tipagem do sangue é limitada, foi difícil identificar conclusivamente as relações biológicas. Por exemplo, se uma criança tivesse sangue de Tipo A e a mãe da criança tivesse Type AB, o pai biológico da criança poderia ter qualquer um dos 4 tipos de sangue. Assim, neste exemplo, nenhum homem poderia ser excluído como o pai biológico da criança. O poder de exclusão, a capacidade de excluir um suposto pai acusado falsamente, para testes de sangue ABO é de cerca de 30% e não é útil para testes de paternidade.

 

1930: testes serológicos

Na década de 1930, os cientistas descobriram outras proteínas na superfície das células do sangue que poderiam ser usadas para identificar pessoas. Os sistemas de grupos sanguíneos Rh, Kell e Duffy, como o sistema sanguíneo ABO, foram baseados na presença de antígenos específicos que são herdados biologicamente e proporcionaram poder adicional, juntamente com a ABO, para resolver as relações biológicas questionadas. No entanto, testes serológicos não são conclusivos para resolver questões biológicas. O poder de exclusão para testes sorológicos é de 40%, o que significa que esta técnica sozinha, como ABO, não é eficaz para determinar relações biológicas.

003_teste_de_adn

1970: Teste HLA

Em meados da década de 1970, os cientistas concentraram-se na tipagem de tecido e descobriram o antígeno de leucócitos humanos (HLA), uma proteína presente através do corpo, exceto para os glóbulos vermelhos. As células brancas encontradas no sangue têm uma alta concentração de HLA. Também foi descoberto que havia muitos tipos diferentes de HLA, e os diferentes tipos de HLA variaram entre pessoas que não estavam relacionadas biologicamente. Devido à alta variabilidade dos tipos de HLA entre as pessoas, o HLA foi usado para responder a questões sobre relações biológicas. O poder de exclusão do teste de HLA é de 80% e associado à ABO e testes serológicos é de cerca de 90%. Esta bateria de testes inaugurou o uso de testes genéticos para incluir e excluir um suposto pai. Um fator que fez o teste HLA perder força é a exigência de uma grande amostra de sangue que deve ser testada em 24H/ 48H após a colheita. Hoje, HLA, ABO e sorologia não são usados para testes de relacionamento e foram substituídos por métodos que envolvem o ADN.

 

1980's: Teste de ADN RFLP

No início da década de 1980, desenvolveu-se uma técnica conhecida como análise de Polimorfismo de comprimento de fragmento de restrição (RFLP) que se tornou o primeiro teste genético de ADN. Como o HLA, ABO e testes sorológicos, o ADN é herdado geneticamente de ambos os pais biológicos. Os cientistas descobriram regiões do ADN que são altamente variáveis ​​(polimórficas) e mais discriminantes do que HLA e proteínas do sangue. O ADN é encontrado em todas as células do corpo, exceto os glóbulos vermelhos. Esses atributos tornam o teste de ADN ideal para resolver relacionamentos biológicos. O procedimento RFLP usa enzimas (endonucleases de restrição) para cortar o ADN e as sondas de ADN rotuladas para identificar as regiões que continham VNTRs (Repetições em Tandem de Número Variável). Num teste de paternidade onde a mãe, filho e suposto pai são testados, metade do ADN da criança deve combinar com o da mãe biológica e a restante metade deve combinar com o pai biológico. Ocasionalmente, o perfil de ADN da criança pode não corresponder a qualquer um dos pais num único local de ADN (marcador genético), possivelmente causado por uma mutação. Quando isso ocorre, um cálculo é realizado para determinar se a inconsistência genética observada é uma mutação ou uma exclusão. O poder de exclusão do teste de ADN RFLP é superior a 99,99%. No entanto, atualmente, este teste não é realizado devido à quantidade de ADN necessária para o teste (cerca de 1 micrograma) requer uma amostra de sangue e o tempo requerido para o teste é de (10 a 14 dias).

004_teste_de_adn_evolucao

1990's: Teste de ADN por PCR

No início dos anos 90, o teste de ADN da Reação em Cadeia de Polimerase (PCR) substituiu a análise de RFLP para testes de relacionamento biológico. A análise por PCR requer menos ADN (1 nanograma), de modo que uma zaragatoa bucal é uma amostra adequada para o teste, eliminando a necessidade de uma colheita de sangue. O teste PCR é muito mais rápido do que o RFLP gerando resultados dentro de um/dois dias após a entrega da amostra para no laboratório. O PCR amplifica regiões no ADN conhecido como STRs (Short Tandem Repeats) que são altamente variáveis. Num teste de paternidade onde a mãe, filho e suposto pai são testados, o ADN da criança deve combinar com os pais biológicos, a menos que haja uma mutação. Os cálculos estatísticos podem ser realizados para ajudar a determinar se uma inconsistência genética em um único local (locus) é consistente com uma mutação ou uma exclusão. Ocasionalmente, observam-se mais de duas inconsistências genéticas e, nesses casos, são realizados testes adicionais. A CódigoADN examina um marcador genético STR da bateria padrão, mas pode testar marcadores STR adicionais quando necessário para resolver um caso. O poder do teste de ADN PCR é superior a 99,99%.

 

2000's: Matrizes SNP

No início dos anos 2000, os cientistas conseguiram combinar milhares de marcadores SNP (Single Nucleotide Polymorphism) em um único teste. Os SNPs são mudanças de letras no ADN que podem ser usadas como marcadores genéticos para uma variedade de aplicações. As matrizes SNP não são comumente usadas para testes de relacionamento, mas são usadas para uma série de outros testes genéticos, incluindo; predisposição a doenças genéticas, saúde e bem-estar e ascendência. A CódigoADN usa uma matriz personalizada de 800.000 SNP para o teste amcestral origens. A matriz contém AIMs (marcadores informativos de ascendência), marcadores de cromossomas Y, marcadores mitocondriais, marcadores de ADN antigos e outros marcadores úteis para estabelecer relações biológicas mais distantes como o 4º ou o 5º primo.

005_teste_de_adn_ngs_ultima_tecnologia

2010: sequenciação da próxima geração

NGS (Sequenciamento de Próxima Geração) ou Sequenciamento Paralelo é a mais nova técnica disponível para análise genética. Este procedimento gera uma sequência de ADN que é a disposição linear de letras (A, T, C e G) que ocorrem em uma amostra de ADN. Uma vez que a técnica permite iniciar simultaneamente o sequenciamento em milhares de locais no ADN que se sobrepõem, grandes quantidades de dados podem ser geradas e devolvidas com os programas apropriados de bioinformática. Seria como tirar de um livro e cortar seções de frases e depois montar o livro usando um programa de computador para reconhecer fragmentos de frases sobrepostas.

 

A CódigoADN atualmente usa NGS para o seu Teste de Paternidade Prenatal Não-invasivo (NIPP) que pode determinar o pai biológico de um feto a partir da 8 semanas de gestação usando uma amostra de sangue da mãe. Antes do teste de paternidade pré-natal não invasivo, uma amostra de liquido amniótico ou amostra de amniocentese era necessária. Ambos os procedimentos são invasivos e têm um pequeno risco de danos para o bebé. O teste teste de paternidade pré-natal não invasivo é seguro para o feto e deteta ADN fetal livre de células circulantes (cfADN) no plasma da mãe e sequencia o ADN para interrogar vários milhares de SNPs.

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Quando os possíveis Pais são relacionados biologicamente!

Ler contributo inteiro: Quando os possíveis Pais são relacionados biologicamente!

Não é incomum no apoio ao cliente que nos digam que há dois pais possíveis para uma criança e que esses dois pais são biologicamente relacionados. Embora os possíveis pais que estão relacionados não partilhem todo o seu ADN (a não ser que sejam gêmeos idênticos), estes partilham ADN suficiente para que resultados possam não ser conclusivos e até mesmo colocar em causa os resultados do teste de paternidade.

Então, os resultados do teste de paternidade sob estas condições podem ser confiáveis?

Sim! Aqui estão algumas possibilidades de relacionamento biológico e como estas podem afetar os resultados dos testes de adn.

 

Se os possíveis Pais são Irmãos

É importante lembrar que, embora estejam intimamente relacionados, os irmãos de pai e mãe possuem perfis de ADN que são distintos entre si. As hipóteses de dois irmãos que não são gêmeos idênticos ter uma correspondência em todos os marcadores genéticos com uma criança na realização dos testes de paternidade é muito diminuta. Mas uma vez que a relação entre os possíveis pais é tão próxima, recomendamos que cada um dos irmãos realize o teste de adn com a criança, se possível. No mínimo, é essencial informar o laboratório de que há dois possíveis pais e que são irmãos. O laboratório pode então testar mais marcadores genéticos, se necessário. Também é importante incluir o ADN da mãe no teste.

 

Se os possíveis Pais são Gémeos

Gémeos fraternos

 

Se os possíveis Pais são gémeos fraternos, a partilha de ADN entre eles é a mesma que seria para os irmãos "regulares". Como descrito acima quando os irmãos são "regulares" a melhor opção é: - a participação de ambos no exame a mãe também deve contribuir com uma amostra de ADN para reforçar os resultados dos testes de paternidade.

 

Gémeos idênticos

Para gémeos idênticos, o ADN é exatamente o mesmo! Com o nível de tecnologia de hoje já é  possível diferenciar geneticamente os gémeos, no entanto, para o fim a que se destina -  teste de paternidade - os preços são praticamente impossíveis e completamente proibitivos, uma vez que exigiria testar a maioria de seus marcadores genéticos em vez dos 20 aos 68 marcadores genéticos utilizados num típico teste de adn.

 

Se os possíveis Pais são Pai e Filho

Um total de 50% do ADN do filho provém do pai, então, se estes dois homens são os possíveis pais para uma criança, há uma grande possibilidade de obter um resultado "falso positivo" se apenas um dos homens participar no teste. Portanto, o ideal é que ambos os homens realizem o teste de adn com a criança. Se não for possível por qualquer motivo, então o laboratório deve ser informado com antecedência (para que uma análise adicional possa ser realizada) e a mãe é obrigada a enviar sua amostra de ADN.

 

Se os possíveis Pais são Primos ou Tio e Sobrinho

Se os possíveis Pais têm um vinculo biológico remoto abaixo do 25% isto faz que não partilhem material genético suficiente em comum para o resultado ser um "falso positivo": a relação biológica é muito distante para fazer a diferença nos resultados do teste de paternidade.

 

Em suma os pontos mais importantes:

 

  • Em todos os casos em que dois possíveis  pais estão relacionados biologicamente é melhor que ambos os homens façam o teste de paternidade ao mesmo tempo, isto incluí a participação da mãe.
  • Se houver uma relação genética próxima entre possíveis pais, e apenas um homem pode ou está disposto a realizar o teste é importante informar o laboratório sobre o relacionamento biológico ao enviar amostras de ADN: é melhor prevenir do que um pedido de desculpas à posteriori!
  • Se a relação biológica entre as pessoas é afastada ou inexistente, basta enviar as amostras.

apoio_ao_cliente_codigoadn1

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Trocas de bebés à nascença - Teste de ADN

Ler contributo inteiro: Trocas de bebés à nascença - Teste de ADN

 

É mais provável ver em séries ou novelas do que na vida real. Mas o pesadelo sobre a troca dos bebés no nascimento acontece por todo o mundo, desde os países subdesenvolvidos aos países que mais tecnologia têm. Programas de TV como "ABC's Switched at Birth" e até mesmo as revistas cor de rosa explorou - e sim, explora - este tópico porque é tão horrível, mas que tanta tinta faz correr.

 

Mas se está a fazer crescer a sua família, realmente deve preocupar-se com os bebés trocados no nascimento no hospital. Aqui estão alguns fatos.

 

Troca do bebés: algumas estatísticas rápidas

Cerca de 500.000 bebés nos E.U.A. a cada ano podem estar em risco de ir para casa com os pais errados, mesmo em centros clínicos com sofisticados métodos de identificação implementados.

Embora seja difícil de documentar especificamente, algumas estimativas dizem que em qualquer ponto durante a permanência no hospital, cerca de um em cada quatro bebês pode ser temporariamente entregue aos pais errados.

Até 18 bebés por ano podem realmente ir para casa com famílias que não são suas, embora a troca do bebé seja geralmente detetada quase imediatamente após o incidente.

Apesar das estatísticas acima, apenas oito incidentes com bebés trocados no nascimento foram fisicamente documentados nos Estados Unidos entre 1995 e 2008. Pode ser porque não existe legislação para que os incidentes sejam reportados e registados, o que torna as estatísticas difíceis e quase impossíveis de estar perto da realidade.

 

Na vida real: Os pesadelos com as trocas de bebés!

 

Mtsensk, Rússia Central.

Quando o seu filho tinha dois anos de idade, uma mãe russa descobriu que a etiqueta de Identificação da maternidade de seu bebé tinha o nome de uma mulher diferente. Após várias diligências conseguiu conhecer a outra mãe e os seus filhos foram trocados novamente. Foi uma época muito difícil para ambas as famílias e a enfermeira responsável por estes bebêés trocados no nascimento foi demitida.

maes_russas

 

Marion, Illinois

A intuição de uma mãe foi “acordada” quando ia a caminho de para casa com o seu filho recém-nascido. Ela sentiu que algo não estava certo. Descobriu em horas que tinha o menino errado e que o seu filho tinha sido enviado para casa com outra pessoa. Aparentemente, as etiquetas de identificação dos bebés foram trocadas quando foram circuncisados.

 

El Salvador

Em 2015, um homem britânico e sua esposa salvadorenha deram à luz um bebé no Hospital. O bebé de cabelos escuros e castanhos parecia-se apenas com a sua mãe - ou então assim o pensavam. Acontece que acabaram por ir para casa com a criança errada. O casal esteve com a criança 3 meses, mas suspeitou. Um teste de ADN provou que o bebé não era dele, e os bebés trocados no nascimento foram evolvidos às suas famílias adequadas. O bebé do casal era loiro e de olhos azuis pois o seu pai era britânico.

salvadoran-babies-switched-at-birth-300x149

 

Como prevenir para que não ocorram trocas na nascença.

Entre em contato com o hospital onde dará à luz antes do tempo e coloque perguntas específicas sobre as medidas que eles têm implementadas para evitar uma troca acidental do seu bebé. Agora já existem planos de nascimento, que são entregues aos enfermeiros e médicos. É o seu bebé, e tem o direito de fazer todas estas questões!

Em seguida, fique atento sobre o paradeiro do seu bebé quando estiver no hospital. Muitas mães hoje recusam-se a deixar os seus bebés fora de sua vista durante a sua estadia.

Verifique as etiquetas de identificação do seu bebé sempre que estiver com eles e definitivamente antes de sair do hospital.

Preste atenção à sua voz interior - se se sentir estranha com o seu bebé, ou se algo simplesmente não a faz sentir bem, fale e faça algo sobre isso. Se chegar ao extremedo de dúvida, faça um teste de maternidade num laboratório acreditado e confiável para confirmar a identidade do bebé.

 

Pensamentos finais

Se suspeita que o seu bebé ou criança pode ter sido trocado, ou se é um adulto que não tem certeza do seu parentesco a maneira mais segura de colocar a sua mente e coração à vontade é fazer um teste de maternidade de ADN. Funciona exatamente como um teste de paternidade: tudo o que é preciso é um esfreganço bucal rápido e um desejo de conhecer a verdade.

 

TESTE DE MAERNIDADE - SAIBA MAIS AQUI - Teste de Maternidade

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Testes de adn pré-natal ajuda a reduzir o Stress

Ler contributo inteiro: Testes de adn pré-natal ajuda a reduzir o Stress

 

Fazer o teste de gravidez em casa e ver as linhas a aparecerem é uma experiência única para cada mulher. A reação pode variar entre a alegria, a tristeza e uma outra qualquer emoção no meio. Com as suas hormonas a circularem a alta velocidade, todas as mulheres que passaram por esta experiência sabem que ficam numa montanha russa de emoções, por vezes todas ao mesmo tempo!

Esta montanha russa de emoções acentua-se sempre que uma mulher não tem certeza de quem é o pai, a dúvida leva à incerteza e a um estado de stress muito elevado. Felizmente, os testes de paternidade pré-natal não invasivos podem ajudar a reduzir este carrossel de emoções, não só para a mãe mas também para o possível pai.

 

Estudos recentes mostram os efeitos do Stress ao longo da gravidez

Um estudo da Universidade de Zurique (veja aqui em Inglês), publicado em maio de 2017, conclui que, se uma mãe estiver com uma carga emocional muito alterada (“stress”) durante um longo período de tempo durante a gravidez, a mãe coloca o seu bebé em risco de desenvolver doenças mentais ou físicas mais tarde na sua vida, como transtorno de hiperatividade (TDAH) Ou mesmo doenças cardiovasculares.

 

 O corpo adapta-se às mudanças de forma muito eficaz. Quando forçado, o corpo liberta as hormonas de luta contra o Stress de forma a ajudá-la a lidar e suportar as suas emoções. Numa mulher grávida, estas hormonas, naturalmente, entram no líquido amniótico e depois no bebé. Pequenas quantidades destas hormonas podem ser benéficas para o feto, pois pode melhorar as hipóteses de sobreviver a um nascimento prematuro. O mesmo estudo suíço também enfatiza que o Stress de curto prazo não parece ter consequências indesejáveis para o bebé. Se o nível de hormonas do Stress libertados for alto e prolongado, os efeitos são negativos.

 

Como é que os testes de paternidade pré-natal podem ajudar

Se uma mulher não sabe quem é o pai do seu bebé, o Stress que a incerteza causa pode ser enorme e até mesmo debilitante. Esperar meses para obter uma resposta a esta pergunta pode ser uma proposta agonizante. Felizmente, a tecnologia suportada no ADN de hoje torna possível fazer um teste de paternidade durante a gravidez, e o conhecimento adquirido com testes de paternidade pré-natal não invasivos pode ser a chave para reduzir os níveis de Stress a longo prazo para muitas mulheres e ajudá-los a desfrutar de uma gravidez mais pacífica.

Paternidade_durante_a_graviez

Testes de paternidade pré-natal da CódigoADN

A CódigoADN é o representante Legal em Portugal do Centro de Diagnóstico de ADN que é um dos maiores laboratórios e mais respeitados do mundo, processamos milhões de amostras para testes de paternidade pós-natal. Também somos o laboratório mais confiável dos testes de paternidade pré-natal. Na verdade, o nosso teste de adn pré-natal é o único teste no mercado que foi validado e publicado.

 

Requisitos para a realização do teste de paternidade pré-natal

A mulher deve estar grávida de oito semanas (ou mais);

Não pode estar grávida de gémeos;

O pai tem que estar disponível para fazer o teste;

VEJA MAIS SOBRE OS TESTE DE ADN DURANTE A GRAVIDEZ >>

 

As novidades do teste de paternidade pré-natal não invasivo;

  1. Agora por mais 100€ é possível saber o sexo da criança;
  2. Por mais 200€ é possível concluir o seu exame em 5 dias úteis em vez dos 7 a 10 dias úteis;

 

Pensamentos finais

Os cientistas concordam que o Stress prolongado durante a gravidez pode ser prejudicial ao feto. Se uma mulher tem perguntas persistentes sobre a paternidade, então faz sentido fazer o exame dos testes de paternidade pré-natal em vez de esperar que o bebé nasça. Também é da sua obrigação escolher um laboratório de testes de paternidade altamente credenciado e respeitado com anos de experiência e a melhor reputação na indústria.

 

Ainda tem dúvidas sobre o nosso exame? fale com os nossos especialistas!

 

apoio_ao_cliente_codigoadn1

 

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Teste de ADN Confidencial

Ler contributo inteiro: Teste de ADN Confidencial

Após ter enviado o seu ADN para uma empresa de testes de ADN, o que fazem com o meu ADN? E, o que pode acontecer com o meu ADN?

 

Noticias/ Relatórios recentes têm provocado indignação nas questões de privacidade em torno de empresas que vendem testes de ascendência, ou testes de ancestralidade, em particular, com a empresa Ancestry.com. O incidente ocorreu no estado de Idaho – Estados Unidos da América, já que ancestry.com partilhou informações de seu banco de dados com a polícia de Idaho. Isto ocorreu sem o consentimento dos utilizadores deste serviço da ancestry.com.

 

Qual foi o crime? (A história resumida)

 

Angie Dodge foi encontrada assassinada em 1996 no seu apartamento no estado de Idaho. O sémen foi encontrado na cena do crime, infelizmente o ADN não correspondeu a ninguém no perfil da polícia que já se encontrava em base de dados. (existem desenvolvimentos incluindo a condenação de uma pessoa inocente neste caso, que para as questão que pretendemos levantar neste artigo não é relevante, se pretende saber mais sobre o caso, basta fazer uma pesquisa no google pelas palavras  (“ Angie Dodge  + Idaho + ancestracy “).

 

Em 2014, a polícia estadual de Idaho reabriu o caso e enviou as amostras de ADN para um laboratório detido pela empresa ancestry.com.

 

"A polícia de Idaho enviou a amostra de sémen para um laboratório privado para extrair um perfil de ADN que incluía YSTR e mtDNA – ADN genético utilizado para determinar relações patrilineares e matrilineares. A policia optou por usar um laboratório ligado a uma empresa privada de genealogia, utilizando a sua base de dados Sorenson (agora da propriedade da Ancestry.com). Ancestry.com ligou o ADN da cena do crime ao ADN de um homem nascido em 1952. Esse homem não se adaptou ao perfil de idade do assassino, então os pesquisadores usaram a informação genealógica para traçar sua linha descendente masculina e encontrar seu filho, Michael Usry Jr., nascido em 1979. "

 

A polícia de Idaho emitiu um pedido judicial obrigando ancestry.com a divulgar as informações pessoais de todas as correspondências encontradas em sua base de dados, incluindo nomes completos e data de nascimento. Com o tempo, a polícia resolveu Michael Usry, Jr. como seu principal suspeito.

 

A polícia também conectou Michael Usry em Idaho Falls depois de descobrir que ele tinha vários amigos do Facebook que viviam perto da área. O fato de Usry gostar de fazer filmes sobre assassinatos também não o ajudou.

 

"A polícia verificou que Usry era um cineasta que havia participado em algumas curtas metragens que tinham homicídios ou assassinatos na linha da história. Com base nesta evidência completamente circunstancial, a policia de Idaho obtiveram uma autorização para fazer a colheita do ADN de Usry. Levaram-no para uma sala de interrogatório, questionaram-no sem um advogado e eventualmente colheram uma amostra de ADN. Em seguida, Usry aguardou os resultados. "

 

O seu ADN não combinou. Michael Usry foi finalmente libertado.

 

Este crime abriu a porta para um debate sobre os direitos de privacidade dos consumidores que desejam usar uma empresa de testes de ADN.

 

A principal questão é se de facto o seu ADN está seguro ao fazer testes de adn recreativos – testes de ancestralidade?

 

Nota Importante: Excluímos deste tópico questões relacionadas com venda ilegal e abusiva de perfis de adn a farmacêuticas -  de empresas de testes de ancestralidade que praticam preços muito baixos sem estarem estabelecidas legalmente.

 

É importante que, ao confiar numa empresa que venda testes de ancestralidade - ascendência, escolha uma empresa que garanta a sua privacidade. Todos os aspetos da empresa devem ser pesquisados, isto inclui todas as formas desde a sua legalidade aos laboratórios que utilizam para fazer a extração de adn.

 

Pode também ler o acordo de privacidade e os termos e condições, caso contrário o seu ADN pode acabar a ser vendido à melhor proposta, ou até mesmo ser utilizado num processo judicial, como o de Michael Usry, Jr.

 

Quer saber qual é a política de privacidade do da CódigoADN? Clique aqui para saber mais.

Ler contributo inteiro
Publicado em por

A Ciência por trás de um teste de ADN

Ler contributo inteiro: A Ciência por trás de um teste de ADN

 

Testes de paternidade e outros testes de ADN dependem fortemente da estrutura e função do ADN.

 

Biologia do ADN: Estrutura e Replicação

A estrutura do ADN foi descoberta em 1953, numerosas técnicas foram desenvolvidas para usar este conhecimento para aprender mais sobre como os seres vivos funcionam e resolvem questões genéticas. O ácido desoxirribonucléico é o material genético que contém o "código da vida". O ADN em cada célula de uma pessoa contém o mesmo código de ADN, mas cada pessoa possui um código único que pode ser usado para identificá-lo e aos seus filhos. Herdamos o nosso código de ADN exclusivo dos nossos pais biológicos em quantidades iguais. Os blocos de construção do ADN são conhecidos como nucleotídeos abreviados A, T, C e G, e aparecem no ADN como pares de letras de AT e CG. Existem cerca de 3 biliões de pares de letras em nosso código genético.

 

Nos seres humanos, a maioria do ADN está na forma de cordões bem enroscados chamados cromossomas, encontrados dentro do núcleo celular. Existem 46 cromossomos em uma célula humana dispostos em 22 pares cromossómicos (não-sexuais) e dois cromossomos sexuais (XY para homens e XX para mulheres). Se “esticarmos” cada cromossoma e colocá-lo de ponta a ponta, terá uma hélice de ADN dupla com cerca de 3 metros de comprimento, tudo a partir de uma célula humana microscópica.

 

A hélice de ADN parece uma escada torcida ou escada em espiral. Os "degraus" são compostos pelas quatro bases: adenina (A), timina (T), guanina (G) e citosina (C), e são mantidas unidas por ligações de hidrogênio que interligam pares específicos dessas moléculas em conjunto: A- T e G-C. O arranjo destas moléculas, chamado de sequência de ADN, descreve as instruções para nossas características físicas e funções corporais. Estas instruções são encontradas em unidades chamadas genes.

 

O emparelhamento específico de moléculas de ADN apresenta um mecanismo simples para sua replicação. A replicação ocorre sempre que uma célula se divide em dois durante o crescimento e o desenvolvimento. Durante a replicação, a hélice desenrola e uma enzima separa os dois fios. Outra enzima, ADN polimerase, acrescenta as quatro moléculas A, T, C e G a cada vertente de acordo com a sequência da cadeia: A é adicionado ao lado de um T na corda, e C é adicionado oposto a G. Este "complemento de base complementar "Permite que a replicação ocorra de forma rápida e confiável.

 

Os produtos de replicação são dois conjuntos de moléculas de ADN de cadeia dupla que têm exatamente a mesma sequência que o original. Durante a divisão celular, cada célula recebe um conjunto de ADN. Desta forma, todas as células do corpo possuem as mesmas moléculas de ADN.

 

Extração de ADN

O ADN é encontrado no núcleo de uma célula, bem como uma gema de um ovo. O ADN é colhido de uma amostra de cotonete (bucal), abrindo as células e separando o ADN das outras partes da célula. Os Laboratórios da CÓDIGOADN™ usam métodos cientificamente aceites para realizar a etapa de extração de ADN juntamente com instrumentos robotizados para a máxima precisão.

 

Reação em cadeia

Reação em cadeia ou PCR, é uma técnica que permite a geração de milhões de cópias de áreas específicas (locus) no ADN. O PCR aproveita a capacidade da célula de replicar ADN antes da divisão celular, mas em um tubo de ensaio. O PCR é usado na comunidade científica para realizar uma série de testes diferentes e é usado pelo CÓDIGOADN™ para testes de paternidade. Uma vez que o ADN é extraído, ele é combinado com produtos químicos para suportar a reação de PCR, incluindo primers que são pequenos pedaços de ADN sintético marcados com marcas fluorescentes que flanqueiam a região para analisar, bem como os blocos de construção do ADN (A, T, C, G ) E uma enzima para apoiar a replicação do ADN (ADN polimerase). Para testes de paternidade, o CÓDIGOADN™ usa uma reação de PCR multiplex que analisa 21 locais diferentes (locus) no ADN ao mesmo tempo.

 

Análise de repetição

O locus STR são utilizados para análise de relacionamento, incluindo testes de paternidade, maternidade de irmãos. Os locus STR contêm uma repetição de ADN de 4 letras. O número de repetições pode variar. Existem duas cópias de cada um dos locus STR. Para testes de relacionamento, a CÓDIGOADN™ examina 20 locus STR diferentes, além de um locus indica o sexo da pessoa.

 

 

Analisador Genético

O número de repetições em cada localização de STR é determinado pela análise dos produtos das reações de PCR com um analisador de genética. Esses instrumentos permitem a análise de até 48 amostras simultaneamente.

 

Relatório de Teste de Paternidade

As informações do analisador de genética são incorporadas no relatório final. Em cada locus STR, o número de repetições detetadas é listado como um número, isto é, um 12 significa que há 12 repetições de quatro letras presentes. Cada um dos números representa um alelo, ou uma forma alternativa do ADN nesse local. Uma vez que cada locus STR é atribuído a uma posição cromossômica e os cromossomos estão presentes em pares, normalmente há dois números por pessoa em cada localização STR (heterozigoto). Quando apenas um número é mostrado em um locus, ambos os cromossomos no par têm o mesmo número de repetições (homozigoto). Um pai e filho devem compartilhar um alelo comum (número) para ser o pai biológico. Uma vez que os resultados de todos os 20 locais STR são avaliados, um cálculo é realizado para fornecer o suporte numérico para o relacionamento biológico testado e é expresso como a probabilidade de relacionamento.

 

Resolvendo Crimes e Mistérios

Uma grande porção de ADN humano não codifica os genes (unidades de ADN que contêm instruções para a criação de proteínas). Essas regiões que não codificam, no entanto, possuem muita informação útil para aplicações de identificação forense e outras. As regiões não codificantes do ADN contêm muitos dos marcadores utilizados para o teste de identidade.

 

As Repetições Tandem Curtas (STRs) como discutido acima são úteis para identificação humana. A combinação de alelos STR é exclusiva para cada pessoa e pode ser usada para incluir ou excluir uma pessoa como fonte de uma amostra de evidência forense biológica. Estes perfis de ADN ou impressões digitais de ADN, são rotineiramente usados ​​para resolver crimes.

Os polimorfismos de nucleótidos simples (SNPs) são alterações de letras individuais no ADN, isto é, um A em uma pessoa e um G na mesma posição em outra pessoa. Existem milhões destas mudanças no nosso ADN e podem ser usadas para testes de identificação e ancestralidade. O teste Origens  da CÓDIGOADN™ usa cerca de 800.000 SNPs para determinar as rotas de ascendência e migração dos nossos antepassados.

O ADN mitocondrial (mtADN) é encontrado nos orgãos produtores de energia da célula chamada mitocôndria. A maioria do nosso ADN é encontrada no núcleo das células em duas cópias; Um de cada progenitor biológico. O ADN mitocondrial, por outro lado, é um pedaço mais curto de ADN encontrado em centenas ou mesmo milhares de cópias por célula e é herdado apenas da mãe biológica.

A análise de ADN mitocondrial é realizada determinando a sequência de ADN de uma região específica do ADN mitocondrial, conhecida como região hipervariável. Embora não seja exclusivo individualmente, o ADN mitocondrial pode ajudar a estabelecer uma linhagem materna, uma vez que o ADN mitocondrial é herdado apenas da mãe biológica.

 

As regiões que não codificam no mtADN, chamadas regiões hipervariáveis, têm diferenças de sequência significativas que podem ser usadas para diferenciar dois indivíduos não relacionados. Por outro lado, parentes biológicos com ascendência materna comum têm as sequências exatas ou muito semelhantes nesta região. O ADN mitocondrial é herdado através da mãe e a relação biológica de dois ou mais indivíduos pode ser determinada examinando as suas sequências de mtADN nas regiões hipervariáveis.

 

O tipo de cromossomo Y (Y-STR) usa repetições em tandem curtas encontradas no cromossomo Y para verificar a ascendência dos machos através da linha paterna. O cromossomo Y é transmitido apenas de pai para filho, relativamente inalterável através das gerações, e, portanto, as pessoas do sexo masculino são relacionadas através de uma linha paterna que partilham o mesmo padrão Y-STR. Enquanto a análise de Y-STR fornece pistas sobre a ascendência masculina recente, outros tipos de marcadores chamados SNPs (pronunciados "snips", "polimorfismos de nucleotídeos únicos") fornecem pistas sobre a ascendência masculina das diferentes populações humanas, rastreando até até 100.000 anos atrás.

 

apoio_ao_cliente_codigoadn1

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Perfis de ADN, Probabilidade de Paternidade e Resultados

Ler contributo inteiro: Perfis de ADN, Probabilidade de Paternidade e Resultados

 

 

Os relatórios do teste de ADN paternidade fornecem informações vinculativas e, muitas vezes mudam a vida dos intervenientes. Esta seção explica como ler e entender um relatório padrão de teste de paternidade da CódigoADN. Se tem dúvidas adicionais, entre em contato com a nossa equipe experiente estamos preparados para o poder ajudar a ler e interpretar os seus resultados.

 

Um resultado de um teste de paternidade de ADN quando sabemos o que estamos a ler é de muito fácil interpretação. Este contém um perfil de ADN para cada pessoa que participa o teste. O relatório também mostra o índice de parentesco combinado (CPI) e uma percentagem indicando a força do resultado. Toda essa informação produz uma única resposta para a questão da paternidade.

 

A Conclusão do Teste de Paternidade

Em concordância das diretrizes de acreditação dos testes de paternidade, os resultados são relatados com uma das duas declarações possíveis:

 

O Alegado Pai está excluído como o pai biológico da criança.

Isso significa que o Alegado Pai não pode ser o pai da criança porque a análise mostra que eles não partilham um relacionamento de paternidade.

Ou,

O Alegado Pai não está excluído como o pai biológico da criança.

Isso significa que o alegado Pai é considerado o pai da criança porque a análise mostra que eles partilham uma relação de paternidade.

Por que o relatório diz "não excluído" se a pessoa for o pai? Os testes de paternidade de ADN, excluem com 100% de certeza, alguém como pai biológico. No entanto, a única maneira de produzir um resultado 100% positivo seria testar todo o genoma de um indivíduo - todo seu ADN. Os testes de paternidade de ADN usam uma amostra padronizada de ADN - até 21 marcadores de ADN - para prever a probabilidade de paternidade. Essas probabilidades geralmente são muito altas - até 99,9999%. Isso significa que, para um suposto pai que não está "excluído", o relatório de paternidade é 99,9999% de que ele é o pai biológico.

 

PERFIS DE ADN

Um perfil de teste de ADN é um conjunto de marcadores de ADN (até 21) usados para determinar a paternidade e a identidade, incluindo os marcadores do FBI CODIS utilizados para evidências de ADN. Os geneticistas desenvolveram esse conjunto de marcadores para haveruma consistência na identificação de indivíduos e nomearam de acordo com sua localização no gene (pense em "D2S1338" como "número do local" do gene "1338"). Cada localização do marcador (ou "locus") mostra dois alelos, representados por números no relatório. Neste caso, os alelos são simplesmente medidas de repetições curtas (STR) no gene. Um desses alelos STR vem do pai e outro da sua mãe.

teste_de_adn_resultado_positivo

Um teste de paternidade ADN, a análise oca-se na obtenção de combinações dos valores do pai e da alegada criança. Como a criança deve receber um alelo do seu pai em todos os marcadores genéticos (ou "locus"). (Em alguns casos, há mutações naturais, onde a criança tem um valor ligeiramente maior ou menor do que o pai, mas é algo raro. Para este tutorial, assumiremos que não existem mutações naturais.)

 

Um suposto pai pode ser excluído como o pai biológico com apenas a não combinação entre os perfis de ADN. Quando uma pessoa é excluída como o pai, os perfis muitas vezes revelam vários, se não muitas, não combinações. No exemplo a seguir, as 3 não combinações excluíram o alegado pai como o pai biológico da criança em teste. Mesmo que existam várias combinações entre outros marcadores, estas são aleatórias e não indicam uma relação de paternidade. Duas pessoas terão sempre a correspondência de alguns alelos, mas é normal, porque todos nós partilhamos a mesma matriz biológica, mas uma relação pai-filho mostrará correspondência em todos os marcadores genéticos.

teste_de_adn_resultado_negativo

ÍNDICE DE PATERNIDADE E PROBABILIDADE

Cada correspondência recebe um valor para o índice de paternidade (PI). O índice de paternidade é uma maneira de medir a força de uma correspondência em particular, com base em parte na unicidade relativa da correspondência. No nosso exemplo, a criança e o suposto pai mostram um valor aleatório de "12" no marcador D2S1338, o valor do índice de paternidade é 1.845. Esta é uma correspondência razoavelmente forte.

teste_paternidade_resultado_positivo

No entanto, se os analistas dos testes de ADN soubessem que a maioria das pessoas teria um valor aleatório de "12" nesse local, o PI pode ser menor, digamos .0782. É verdade que os dois participantes têm correspondência, e isso pode ser porque é o pai biológico da criança, mas também pode ser porque simplesmente a maioria das pessoas tem esse mesmo valor neste local.

teste_paternidade_resultado_positivo_fraco

Por outro lado, e se os analistas soubessem que poucas pessoas teriam um valor aleatório de "12" nesse local a correspondência seria mais forte porque é mais raro. Neste caso, o valor PI pode aumentar; pode ser 3.452 ou 12.819 ou até 34.125, dependendo da força da correspondência. Um valor PI = 0.000 indica que não há correspondência entre os dois perfis neste marcador genético em especifico.

 

Uma vez que os perfis foram analisados em todos os locais, o produto de todos os índices de paternidade cria o índice de paternidade combinada (CPI). Para que um pai alegado seja considerado o pai da criança (para ser "não excluído" como o pai biológico), o valor CPI deve ser pelo menos 100. Um valor CPI de 100 corresponde a uma probabilidade de paternidade de 99,0099%, um valor CPI de 10.000 (10 mil) corresponde a uma probabilidade de 99,9900% e assim por diante. Quanto maior o CPI maior a probabilidade de paternidade.

teste_paternidade_indice_paternidade_combinado

De acordo com as diretrizes de acreditação de teste de paternidade de ADN, um relatório de paternidade deve mostrar um CPI superior a 100 (e uma probabilidade de paternidade superior a 99,0%). A maioria dos tribunais, agências de apoio à criança ou outras entidades legais requerem um relatório credenciado (veja o Teste de Paternidade Legal para obter mais informações). Os casos de imigração requerem um valor CPI de 200 (99,5%) ou melhor.

 

CONCLUSÃO

Enquanto a maioria dos testes de paternidade de ADN refletem este exemplo de "livro de texto", há muitos outros fatores a serem considerados. Por exemplo, as mutações naturais às vezes apresentam resultados mais complicados. Às vezes, pai e filho partilham muitos alelos comuns e, embora existam muitas correspondências, o valor do CPI não é suficientemente forte para um resultado conclusivo. Na maioria desses casos, incluindo a mãe biológica fortalece significativamente os resultados do teste. É por isso que o CódigoADN recomenda sempre a inclusão da mãe em qualquer teste de paternidade de ADN.

 

Como sempre, se tiver alguma dúvida sobre seu teste de paternidade de ADN ou qualquer outro teste de ADN da CódigoADN™, por favor, ligue-nos 220 417 190 / 917 888 026.

 

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Um guia para o teste de paternidade

Ler contributo inteiro: Um guia para o teste de paternidade

 

 

O teste de ADN determina qual pessoa que é o pai biológico de uma criança e portanto, acaba com a dor e a incerteza dando aos pais, à criança e à família a paz de espírito que tanto anseiam. Decidir-se por fazer um teste de ADN de paternidade é uma decisão que precisa de ser bastante ponderada e pensada, pois os resultados nem sempre são como os esperados e podem trazer surpresas que não se espera. ( veja + aqui - e se o resultado do teste de paternidade for negativo )

 

O teste de paternidade ADN permite que as famílias descubram com certeza quem é o pai biológico de uma criança e, em seguida, permite que eles continuem a construir uma vida familiar baseada na verdade e na confiança em vez da dúvida. Um teste de Paternidade ADN é uma das formas mais simples e precisas para determinar quem é o pai biológico - tudo o que está envolvido é uma simples colheita de células da boca “saliva” e os resultados apresentam um nível de precisão superior a 99,9%.

 

Quais as vantagens de utilizar um kit para colheita de ADN em casa?

 

Um teste de ADN, em que a colheita é feita em casa é uma das maneiras mais discretas de se fazer um teste de paternidade. Pois a colheita de todo o ADN é feita na privacidade da sua própria casa num momento conveniente para si e para a sua família. Uma vez que fez a colheita com as zaragatoas -  “cotonete” do lado de dentro da sua bochecha e dos restantes elementos que participam no exame, basta que nos faça chegar novamente as suas amostras, por correio, em envelope próprio e pago que segue juntamente com o Kit de ADN. Toda a realização da colheita de ADN demorará no máximo 3 a 5 minutos, e pode evitar o incômodo e a preocupação de fazer uma consulta médica e ir a uma clínica para a realização do exame.

 

Geralmente, os resultados do teste estão prontos dentro de uma semana e, pode escolher se pretende receber os seus resultados por: correio, telefone ou e-mail, o que lhe dá mais flexibilidade e permite uma discrição total.

 

Um kit de teste de ADN também é relativamente acessível e, embora os preços variem de empresa para empresa, na CódigoADN garantimos o preço mais baixo, com a máxima qualidade. Pode pedir um kit gratuitamente, e fazer o exame por apenas 225€. Os altos níveis de precisão que estes testes oferecem significa que não haverá dúvidas após o teste sobre quem é o pai biológico de uma criança e isto pode acabar com meses ou mesmo anos de suspeita.

 

100_kit_gratuito_paternidade

 

 

Quando é que um Kit para a colheita de ADN não pode ser utilizado?

 

O teste de ADN de paternidade realizado em casa é uma maneira rápida, conveniente e muito precisa para determinar quem é o pai biológico de uma criança e muitas pessoas optam por estes testes para tirarem todas as suas dúvidas. No entanto, se precisa de resultados para um caso a decorrer em tribunal, os resultados de um teste de paternidade feitos em casa não serão aceites.

 

Um tribunal precisará garantir que as amostras em teste são dos indivíduos em questão e que o teste foi concluído por um laboratório certificado e qualificado, logo isto não pode ser garantido com os resultados de um kit de um teste de ADN realizado em casa.

Para muitas pessoas, um teste de ADN em casa é a maneira mais conveniente e confidencial de determinar o pai biológico de uma criança.

Tal como acontece com qualquer questão de paternidade, deve sempre considerar todos os resultados possíveis e como você e a família irão lidar uma vez que os resultados sejam conhecidos.

 

 

Apoio_ao_cliente_04_600

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Teste de Paternidade – Histórias Complexas

Ler contributo inteiro: Teste de Paternidade – Histórias Complexas

Os testes de paternidade são pedidos à CódigoADN em várias situações. Não importa o quão complicado ou difícil possa ser, é importante expor/ falar de toda a situação com nossa equipa de apoio ao cliente. – Somos uma equipa genuína (não pense que nunca ouvimos uma história igual à sua, o mais provável é já termos lidado com histórias muito semelhantes).

 

É importante que partilhe tanta informação quanto possível sobre os supostos pais (não é preciso os identificar). Isto reduzirá as possibilidades de um resultado inconclusivo e permitirá que nossos consultores especializados lhe deem as informações corretas, em relação ao teste de paternidade que será mais adequado para o seu caso e para todos os indivíduos envolvidos.

 

Em 95% dos casos não é necessário recorrer a um teste de paternidade especifico, o procedimento é normal, sem qualquer exame extra. Contudo quando envolve histórias complexas entre membros da mesma família, devemos estar informados dos possíveis pais e das suas relações biológicas.

 

Teste_de_Paternidade_-_Relacoes_Complexas

 

Histórias verídicas que nos chegam pela linha de apoio ao cliente:

 

E se dois irmãos puderem ser os pais da criança ?

 

Nesta situação, idealmente ambos os irmãos vão precisar de colher amostras de ADN a fim de determinar qual dos irmãos é o pai biológico. Em casos mais complexos, envolvendo por vezes gémeos é aconselhado que a mãe também esteja incluída no processo do teste de ADN. Uma parte do ADN da criança vem da mãe (+ informações aqui) , portanto, adicioná-la ao processo de teste de ADN, em inglês, “teste de DNA” produzirá um conjunto conclusivo de resultados.

 

O nosso laboratório examinará um mínimo de 20 marcadores genéticos, no entanto, em casos mais complexos, o teste de ADN vai precisar de ser alargado para verificar mais marcadores genéticos do que normalmente seriam testados. Num teste de paternidade standard esta é a melhor maneira de encontrar ADN distinguível entre os dois irmãos.

 

Entendemos que há momentos em que testar ambos os irmãos não é possível. Por esta razão a CódigoADN™ tem estabelecido um método único e avançado para testar a paternidade, onde apenas um dos irmãos é capaz de fazer uma colheita da amostra.

 

 

E se o alegado avô da criança ou o filho do avô é o pai?

 

Neste caso o avô e seu filho precisam de ser os dois testados, também é aconselhado que a mãe seja testada, no entanto isto não é essencial, mas recomendado. Se é só entre o avô e o filho mesmo que a mãe se recuse a participar no teste de adn, então o laboratório realizará testes de adn extensivos para chegar a uma conclusão definitiva.

 

E se os dois possíveis pais são primos?

 

Os primos geralmente partilham apenas (1/8) um oitavo – 12,5% de seu ADN um com o outro, portanto é improvável que ambos os perfis de ADN correspondam ao ADN da criança. No entanto e para dissipação de todas as dúvidas é sempre recomendado a participação dos dois primos no teste de paternidade a fim de obter um resultado conclusivo.

 

Se apenas um pai alegado pai puder ser testado, é importante que a equipe do apoio ao cliente da CódigoADN™ saiba que o outro alegado pai é também um primo do homem que está a ser testado. Como com todos os cenários possíveis sempre pressente e com a elevada experiencia da nossa equipa o teste de ADN, é conclusivo.

 

E se o pai e a mãe forem primos em primeiro grau, isso fará com que os resultados dos testes de ADN não sejam conclusivos?

 

Espera-se que os primos em primeiro grau partilhem aproximadamente 1/16 (6,25%) de seu ADN total, pessoas não relacionadas também podem partilhar até 1/16 (6,25%) de seu ADN um com o outro. Portanto, ser primos em primeiro grau é quase como estar sem relação. Portanto, o processo de teste de ADN não será afetado, porém recomenda-se que todos os indivíduos envolvidos sejam testados.

 

Estes são alguns casos que nos vão chegando, nenhuma história deve ser ocultada dos nossos serviços, lembre-se que o seu teste de adn é confidencial, nenhuma informação é partilhada ou registada. A informação é essencial para que os especialistas no apoio ao cliente o possam aconselhar da melhor forma e que os laboratórios lhe possam ter resultados 100% fiáveis.

 

Precisa de Ajuda para a realização do seu teste de adn?

Estamos aqui para o ajudar

Apoio_ao_cliente_04_600

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Acordo na realização do teste de adn - Paternidade

Ler contributo inteiro: Acordo na realização do teste de adn - Paternidade

Assegurar que todas as partes estão de acordo na realização do teste de adn - Paternidade

 

Muitas vezes no apoio ao cliente somos questionados se a mãe deve participar na colheita de ADN para o teste de paternidade. Afinal ela sabe que é a mãe (não existem duvidas).

Até um passado recente era crítico fazer a colheita do ADN da mãe porque os laboratórios testavam apenas 16 marcadores de genéticos. Hoje, na CódigoADN, começamos a testar nos 20 marcadores genéticos até a um máximo de 45 marcadores. Isso significa que mesmo sem o ADN materno obtemos resultados conclusivos, claros e definitivos.

Contudo, o nosso laboratório privilegia sempre testar o ADN da mãe, se for possível. E para os testes de paternidade em que o kit de recolha de ADN é enviado para casa, permitimos que o ADN da mãe seja incluído no teste gratuitamente. Fazemos isto porque garante que todos estão conscientes e consentem com a execução do teste de adn informativo. Para testes de adn legais é essencial que as partes estejam de acordo.

Contudo existem sempre exceções, em que o laboratório pode pedir a participação obrigatóriamente da mãe; isto acontece quando numa primeira análise entre o pai e o suposto filho(a) é encontrada uma mutação genética. Uma mutação genética é encontrada quando existe uma coincidência de 19 marcadores genético e apenas um marcador genético não é coincidente com o pai, neste caso assume-se que existiu uma mutação genética, ou seja, apenas naquele único marcador genético a herança genética sofreu uma mutação e em vez de herdar um alélo da mãe e um do pai, herdou dois alelos da mãe.

Entenda que quando recorre a outros laboratórios que apenas testam 16 marcadores genéticos, é obrigatório a participação da mãe. Como no nosso caso usamos pelo menos 19 marcadores genéticos e o cromossoma sexual, podemos excluir a mãe do teste de paternidade sem comprometer a fiabilidade do mesmo.

Quando pretende testar uma relação complexa, como irmãos, tios, avós entre outros, utilizar o ADN da mãe aumenta a probabilidade de obter um resultado mais conclusivo para qualquer que seja a relação biológica que esteja a confirmar. Neste caso os laboratórios da CódigoADN aconselham que a mãe seja sempre incluída.

 

Por que é tão importante usar vários ADN para testar uma relação biológica?

Com exceção do nosso laboratório que testa duas vezes a quantidade de ADN, em relação a outros laboratórios que os testes de paternidade de ADN analisam apenas e até 15 marcadores genéticos à procura de correspondências entre o suposto pai e filho. Todos os marcadores e alelos devem refletir uma correspondência direta com o suposto pai. Não havendo essa correspondência o suposto pai não é o pai biológico. 

Veja um exemplo abaixo:

teste_de_adn_sem_a_mae

 

Indice de Paternidade Combinado: 8 404

Probabilidade de paternidade: 99,988%

Neste caso, a probabilidade de paternidade é 99,988% (o produto de todos os índices de parentesco). O resultado é pouco conclusivo (porque deve ser maior do que 99,99% ou 0%) e porque só estamos a usar 15 marcadores genéticos no relatório acima, mas o suposto pai e filho combinam em todos os alelos. Agora, adicionamos a amostra da mãe biológica ao teste de paternidade de ADN:

 

teste_de_adn_com_a_mae

 

Indice de Paternidade Combinado: 26 132 397 (Indice de paternidade combinado aumentou mesmo utilizando o mesmo número de marcadores genéticos).

Probabilidade de paternidade: 99,999996%

A probabilidade de paternidade aumenta para 99,999996%. Porquê? No primeiro exemplo, um dos dois alelos da criança e suposto pai combinam em cada marcador genético. No entanto, não sabemos qual dos marcadores da criança vem de sua mãe e qual devemos verificar no adn do seu pai. Ao testar a mãe da criança, vemos qual dos marcadores da criança devem ter vindo do pai. O PI neste caso aumenta drásticamente fazendo a probabilidade de paternidade aumentar com o indice de paternidade combinado.

 

E quando o teste de paternidade for negativo?

1teste_de_adn_negativo

 

Indice de Paternidade Combinado: 0

Probabilidade de paternidade: 0%

Com estes dados, a probabilidade de paternidade torna-se 0%. O suposto pai não é o pai biológico da criança. 

Observe que ainda existem alguns marcadores genéticos coincidentes entre o suposto pai e filho. Se este suposto pai é verdadeiramente o pai biológico,  deve igualar em todos os alelos (duas pessoas terão pelo menos alguns marcadores genéticos equivalentes, mas uma relação pai-filho mostrará correspondências em todos os locais). Bastam três alelos não serem correspondentes para já ser o suficiente para excluir o alegado pai de ser o pai biológico da criança. Neste caso, o teste de ADN da mãe biológica transforma um resultado inconclusivo em um "não" definitivo - este suposto pai não pode ser o pai biológico da criança.

IMPORTANTE: Incluindo a mãe biológica em qualquer teste de ADN, mesmo avô ou teste de ADN com irmão, de forma semelhante reforça as probabilidades do teste de ADN . Com o teste de paternidade realizado na CódigoADN, não precisa de se preocupar com o conteudo deste artigo, pois garantimos exames conclusivos mesmos sem a participação da mãe.

 

​Pretende fazer um teste de paternidade (clique aqui para mais informações)

Ler contributo inteiro
41 - 50 de 124 resultados