Imprimir

Diferenças entre testes de ADN e testes de sangue

Publicado em por

Diferenças entre testes de ADN e testes de sangue

Diferenças entre testes de ADN e testes de sangue

Num determinado momento surgem situações nas quais as pessoas têm duvidas relativamente ao parentesco seja sobre elas ou sobre terceiros. Na maioria dos casos a maternidade é mais fácil de determinar que a paternidade. No passado essa identificação passava por descobrir fenótipos especificos (em determinados tipos de sangue) na criança e usar essas inormações para descartar pais possíveis. Com o decorrer do tempo esta técnica apresentou uma série de problemas e foi então que aa partir de 1990 a abordagem mais comum ser a presença de marcadores genótipos particulares.

 

 

Testes de Sangue e os Testes de ADN

 

            Os Testes de Paternidade através do sangue foram realizados pela primeira vez no século XX através da comparação de tipos de sangue testados. Este processo envolveu o isolamento de soros sanguíneos de indivíduos com antigénio desafiado que não possuíam certos antigénios de glóbulos vermelhos. Antígenos são moléculas de proteína que podem ser combinadas com moléculas de açúcar, e residem na membrana de glóbulos vermelhos. Estes soros causam a coagulação de glóbulos vermelhos em indivíduos que possuem esse antigénio de glóbulos vermelhos particular.

No sistema de marcação de sangue ABO, os seres humanos podem possuir o antigénio A (tipo sanguíneo A), o antigénio B (tipo sanguíneo B), o antigénio A e B (tipo sanguíneo AB), ou nenhum destes antigénios (tipo sanguíneo O) . Os sistemas de antigénio de glóbulos vermelhos deste tipo podem ser utilizados para testes de paternidade porque existem genes que codificam para os antigénios. Uma mãe que tenha sangue Tipo B e um pai que tenha sangue Tipo O não poderia ter uma criança que tem sangue tipo AB. O verdadeiro pai da criança deve ter o gene para o antígenio A. O sistema de antigénios RBC para testes de paternidade não proporcionou um teste muito concreto porque as frequências dos genes que codificam os antigénios não são muito baixas.

Na década de 1970,  um teste mais fiável foi desenvolvido usando antígenos de glóbulos brancos ou antígenos de leucócitos humanos (HLA), resultando em um teste que foi capaz de excluir cerca de 95 por cento dos pais falsamente acusados.

Tipos de sangue por si só não pode ser usado para determinar quem é o pai, mas pode ser usado para determinar a possibilidade biológica de paternidade.

 

Limitações importantes

 

            Existem algumas combinações de mãe e filho que mostram todas as quatro possibilidades e não podem eliminar qualquer pai possível, como pode verificar no quadro abaixo. 

xBloodTypeTable.pagespeed.ic.oUlWv6zoq7

Por exemplo, se a criança é A e a mãe é O, o pai deve ser A ou AB. É biologicamente impossível que um homem com sangue B ou O tenha gerado essa criança.

Pode determinar as possíveis combinações ABO com esta calculadora online.

 

Testes de ADN

 

            O ADN (ácido desoxirribonucléico) é o material genético presente em cada célula do corpo humano. Excepto no caso de partos múltiplos idênticos, o ADN de cada indivíduo é único. Uma criança recebe metade de seu material genético (ADN) da mãe biológica, e metade do pai biológico.

Durante o teste de ADN, as características genéticas da criança são comparadas com as da mãe. As características que não podem ser encontradas na mãe deverão ter sido herdadas do pai.

Os Testes de Paternidade de ADN são a forma mais precisa de testes de paternidade possível. Se os padrões de ADN entre a criança e o suposto pai não coincidem em duas ou mais sondas de ADN, então o suposto pai pode ser totalmente excluído. Se os padrões de ADN entre a mãe, a criança e o suposto pai correspondem a cada sonda de DNA, a probabilidade de paternidade é de 99,9%. Para realizar o teste de ADN, um teste de sangue conhecido como Polimorfismo de Comprimento de Fragmento de Restrição (RFLP) ou um procedimento chamado de sucata Bucal é usado. Uma saragatoa é esfregada vigorosamente contra o interior da bochecha do sujeito. Esse processo fornece uma amostra de ADN para os testes. As crianças podem ser testadas em qualquer idade. O teste de paternidade pode ser realizado aatravés de uma amostra de sangue do cordão umbilical. Uma vez que o ADN é o mesmo em cada célula do corpo humano, a precisão do teste realizado em células de bochecha utilizando uma zaragatoa é o mesmo que uma amostra de sangue real.

Portanto, os Testes de Sangue não podem provar a paternidade, mas em certos casos, pode provar que um homem não é o pai de uma criança. Por exemplo, um homem com sangue tipo AB não pode ser o pai biológico de uma criança com sangue tipo O e, inversamente, o mesmo acontece para as mulheres. 

 

Comentários: 0

Este tema encontra-se fechado. Não podem ser adicionadas mais respostas.