Teste de Identidades - Testes de Paternidade - ...

Publicado em por

Teste de Identidades - Testes de Paternidade - CódigoADN

Teste de Identidades - Testes de Paternidade - CódigoADN

*todos os parágrafos começados por *, não constam do documento original produzido pela Universidade de Baylor. Estas adições foram feitas de forma ao comum leitor ficar mais esclarecido sobre todo o artigo.

 

FONTE: Artigo Desenvolvido pela Universidade de Baylor

 

Os Testes de identidades genéticas, assim como os testes de paternidade (ver mais aqui) envolve a identificação dos padrões existentes no material genético e são exclusivas para quase todos os indivíduos. Apesar de mais de 99% das sequências de ADN no genoma humano serem idênticas entre os indivíduos, um pequeno número de diferenças na sequência são usados para distinguir todos os seres humanos. Estas sequências diferentes são geralmente o alvo para testes de identidade. As técnicas que são aplicadas em testes de identidade são impressões digitais de ADN, perfis de ADN, e tipagem de ADN. Embora existam algumas diferenças técnicas entre estes testes, os termos são usados normalmente como sinônimos.

*Nota: É normal o ADN de todos os seres humanos ser praticamente igual, por isso é que somos todos parecidos, ou seja, de forma anatómica. Todos temos 2 olhos, um nariz, dois braços, duas orelhas, uma cabeça. 

 

 Teste de Paternidade               Teste_de_paternidade_durante_a_gravidez

    T. Paternidade                      T. Paternidade
                                                         Pré-Natal

DESCOBERTA DA IMPRESSÃO DIGITAL ADN

 

Historicamente, o teste de identidade no domínio forense começou com a análise do grupo sanguíneo ABO. Mais tarde, novos marcadores de identidade e de identificação de paternidade foram baseadas em variações de proteínas séricas e enzimas de glóbulos vermelhos; eventualmente, o sistema antigénio leucocitário humano foi usado. Era iniciado o teste de identidade à 30 anos atrás por Sir Alec Jeffreys, professor e geneticista da Universidade de Leicester, no Reino Unido (UK), pioneira nos testes de identidade baseada em ADN.

O Professor Jeffreys estava interessado em estudar a variação genética entre os indivíduos e tinha feito um trabalho precoce para detetar diferenças genéticas em seres humanos. No entanto, nos objetivos do estudo não estava definido a identificação humana através do ADN, este estudo visava um projeto relacionado: A análise do gene da mioglobina em carne de foca na sede do British Antarctic Survey. No decorrer do estudo, quando ele e os seus colegas compararam o gene da mioglobina em selos com a contraparte humana, descobriram que algumas sequências curtas de repetição foram homólogas entre as focas e os seres humanos.

Quando compararam as sequências com as sequências publicadas de repetições em série chamado minisatélites, descobriram que eram os mesmos. O professor Jeffreys concluiu que as sequências de repetição "poderiam ser marcadores genéticos informativos altamente variáveis". O seu grupo desenvolveu uma sonda radioativa, composta de sequências curtas, que poderiam trancar as sequências repetitivas e, finalmente revelar padrões que eram únicos para cada indivíduo: uma "impressão digital" ADN.

As etapas envolvidas na identificação de ADN são as seguintes. Primeiro, o ADN é extraído a partir da amostra (isto é, sangue, sémen, pele, cabelo, entre outras, (*veja aqui toda a tabela de amostras disponíveis para fazer o seu teste na CódigoADN).

 Teste_de_Paternidade_escova_de_dentes      Teste_de_Paternidade_Unhas      Teste_de_Paternidade_com_Cabelo     Teste_Paternidade  

T. Paternidade            T. Paternidade             T. Paternidade             T. Paternidade

   c/ Sangue                 c/ Escova Dentes                 c/ Unhas                   c/ Cabelos

 

Depois da extração de ADN, as enzimas de restrição são adicionados, o qual funciona como uma tesoura para cortar o ADN em segmentos mais pequenos que são diferentes entre os indivíduos. O ADN segmentado é submetido a um processo e visualizado por coloração com brometo de etídio. Uma transferência de Southern é realizada para transferir o ADN para uma membrana. Uma sonda radioativa é aplicada à membrana, e o padrão de ADN é detetado pela exposição da membrana a um filme de raios-x. O resultado é um padrão de bandas de ADN que se parece com um código de barras supermercado. Cada indivíduo tem uma assinatura digital.

O Professor Jeffreys estudou uma impressão digital de ADN de uma família humana; uma impressão digital de uma vaca, um babuíno, um rato, e uma planta de tabaco. O padrão de segmentos de ADN, composta por talvez 15 a 20 bandas era diferente para cada um. No entanto, uma inspeção mais próxima dos padrões da família humana revelou que a mãe e o pai tinham o seu próprio padrão e que a criança tinha uma composição de ambos, tendo herdado um alelo do pai e da mãe.

Na primavera de 1985, o Professor Jeffreys e seus colegas publicaram o seu primeiro artigo sobre a identificação do ADN e logo identificou a utilidade das ciências forenses na identificação da paternidade. Os Jornais divulgaram os resultados, e logo de seguida um advogado ficou interessado no teste, viu a sua aplicabilidade em um dos casos que estava a representar.

 

O ADN COMO FERRAMENTA PARA RESOLVER PROBLEMAS

 

O primeiro caso: uma disputa de imigração

Uma família do Gana imigrou para o Reino Unido e conseguiram obter a nacionalidade tornando-se cidadãos. No entanto, um dos filhos voltou ao Gana e foi impedido de retornar ao Reino Unido, porque as autoridades alegavam que o passaporte era falso. O advogado da família contactou o Professor Jeffreys e perguntou se ele poderia confirmar que o rapaz era de fato filho da mãe e não o sobrinho dela (ela tinha várias irmãs em Gana). A situação complicou-se com a ausência do pai.

Amostras de ADN foram retiradas da mãe, do filho, cuja identidade foi disputada e de três crianças indiscutíveis da mãe. Os padrões confirmaram a relação entre a mãe e o filho em questão. Além disso, o teste confirmou que todas as quatro crianças tinham o mesmo pai. Este caso de imigração abriu a porta para o uso de impressões digitais de ADN em casos forenses e para a determinação da identidade.

 

Refinando o ensaio ( a nova Sonda )

 

Após o sucesso do caso, o Professor Jeffreys foi bombardeado com muitas perguntas. Em 1986, recebeu um telefonema de agentes da lei em Leicestershire, Reino Unido, a solicitar a sua ajuda para resolver um caso de duplo homicídio. Professor Jeffreys acredita que os métodos de impressão digital do ADN não iriam funcionar num caso criminal por causa da grande quantidade de material de ADN necessário para que o teste seja bem-sucedido. (*retirado material demasiado técnico). Durante todo o processo o Professor desenvolveu uma sonda que reconhece no máximo dois segmentos de ADN em um indivíduo, correspondendo a dois alelos: um herdado da mãe e outro do pai. O Professor Jeffreys usou esta nova técnica para resolver o caso de duplo homicídio em 1986.

 

A identificação de um assassino

 

Duas meninas de 15 anos de idade, em Leicestershire tinham sido violadas e assassinadas. Embora os ataques tivessem ocorrido com três anos de intervalo, as semelhanças do crime levou a polícia a acreditar que apenas uma pessoa era responsável por ambos. Um suspeito sob custódia confessou o assassinato mais recente, no entanto não assumiu qualquer relação com o mais antigo, colocando a investigação num patamar de complexidade elevada. Pediram ao Professor Jeffreys para fazer perfis de ADN de uma amostra de sangue que foi recolhida a partir do suspeito e de duas amostras de tecido e sémen colhido das duas vítimas.

O perfil de ADN revelou que o sémen de ambas as vítimas era idêntico, provando que uma única pessoa tinha cometido os dois crimes. Numa reviravolta surpreendente, dos resultados também se provou que o suspeito sob custódia da polícia não era o assassino. Este foi libertado e tornou-se o primeiro suspeito a ver todas as acusações retiradas de um crime por provas de ADN.

Foi então lançada em larga escala uma caça ao homem para encontrar a pessoa cujo perfil ADN igualou a do sémen do assassino. Todos os homens adultos que viviam na área foram convidados para dar sangue ou saliva para testes. Mais de 5000 exemplares foram colhidos e realizados os perfis de ADN realizado, em 10% dos homens que tinham o mesmo tipo de sangue do assassino, mas nenhuma correspondência foi encontrada. A polícia e o público ficaram desapontados, pois este novo teste sofisticado não foi capaz de identificar o assassino.

Seis meses após a investigação inicial, uma mulher informou as autoridades que tinha ouvido um homem ter dado sangue em nome de um colega, Colin Pitchfork. Pitchfork foi apreendido e o seu sangue testado; O Exame de ADN foi feito, e Pitchfork foi condenado por dois assassinatos. Os resultados obtidos, deram uma nova ferramenta às autoridades para resolver vários crimes.

 

Novos métodos para estabelecimento de perfis de ADN e o "Anjo da Morte"

 

 

Até o final de 1986, a criação de perfis de ADN estava sendo utilizada em todo o mundo. O ADN foi refinado com a introdução da reação em cadeia da polimerase (PCR) juntamente com a descoberta de diferentes sequências repetitivas chamados microssatélites. A amplificação de ADN por PCR oferece maior sensibilidade, o que permite pequenas quantidades de ADN serem analisadas, mesmo a partir de amostras de arquivo e parcialmente degradadas.

Minissatélites, também conhecidas como número variável de repetições em tandem (VNTR), são constituídos por sequências repetidas que podem variar em comprimento unitário de 6-100 bases. Estas unidades podem ser repetidas de duas a várias centenas de vezes em cada minissatélite. Milhares de minissatélites diferentes estão espalhados ao longo do genoma, mas são muitas vezes agrupadas perto do telómero, ou extremidade do cromossoma (9-11).

Os microssatélites, também conhecidos como repetições em tandem curtas (STR), são constituídos por uma unidade que pode variar em comprimento de 1 a 7 bases. Esta unidade é repetida 5 a 100 vezes em cada locus microssatélite. Milhares de diferentes microssatélites são dispersos aleatoriamente ao longo do genoma, mas não de uma área específica.

O perfil de ADN baseado em PCR foi utilizado para acabar com a caça de 40 anos ao médico nazista Josef Mengele do campo de prisioneiros, que escapou dos Aliados no final da II Guerra Mundial. Apelidado de "Anjo da Morte" em Auschwitz. Suspeitava-se que Mengele podia ter fugido para a América do Sul. A polícia concluiu que Mengele tinha-se afogado no mar em 1979 e foi sepultado no Brasil. Em 1985, os restos decompostos foram exumados e amostras de ADN recolhidas, mas o material genético estava tão degradado que o Professor Jeffreys recorreu ao que equivalia a reverter testes de paternidade: ele usou amostras de sangue da mulher e do filho de Mengele para reconstituir padrão de ADN de Mengele. Em 1992, os restos mortais foram confirmadas como sendo as de Mengele.

 

Desenvolvendo uma base de Dados

 

Nos EUA, a Agência Federal de Investigação começou a construir um projeto piloto em 1994 de um banco de dados nacional de ADN, o - CODIS, como uma ferramenta para a solução de crimes violentos. CODIS combina a análise de ADN com a tecnologia do computador para permitir que laboratórios de criminalidade a nível local, estadual e nacional possam trocar e comparar os perfis de ADN por via eletrónica. O banco de dados é composto por dois índices: o Índice Forense, que contém perfis de ADN a partir de evidências da cena do crime, e do Índice Offender, que contém perfis de pessoas condenadas por crimes sexuais de alta traição e outros crimes violentos. O sistema baseia-se na amplificação de 13 núcleos STR loci, bem como o gene amelogenina, que está localizado nos cromossomas X e Y e é útil para determinar o sexo do indivíduo.

 

Aplicações clinicas na identificação de indivíduos

 

Hoje em dia, o teste de identidade de ADN é amplamente utilizado no campo da ciência forense e identificação de paternidade. Outras aplicações clínicas são baseadas nos métodos desenvolvidos para testes forenses. Incluem avaliação do doador hematopoiéticas enxerto após o transplante de medula óssea e análise quimerismo após transplante de órgãos sólidos. Outros usos incluem confirmar o diagnóstico de mola hidatiforme e resolver questões de identidade espécime em casos de erro de etiquetagem da amostra ou erros de identificação. Finalmente, o teste de identidade de ADN pode ser utilizados para avaliar a transmissão do tumor após transplante e, assim, determinar se uma malignidade é de origem do dador ou do receptor.

VNTR e STR são úteis para testes de identidade, porque são polimórficos e são herdadas de uma forma mendeliana. Cada indivíduo herda uma paternal e maternal, um alelo de um locus STR específico, levando a mais diversidade no padrão STR.


Seleccione o seu Teste de Paternidade

 Teste de Paternidade     Teste_de_Paternidade_Legal      Teste_de_Paternidade_escova_de_dentes      Teste_de_Paternidade_Unhas      Teste_de_Paternidade_com_Cabelo     Teste_de_paternidade_durante_a_gravidez

    T. Paternidade             T. Paternidade             T. Paternidade             T. Paternidade             T. Paternidade          T. Paternidade
                                             Legal                    c/ Escova Dentes                 c/ Unhas                   c/ Cabelos                     Pré-Natal
            225€                                                                                                                                                                                      
Comentários: 0

Apenas os utilizadores registados podem enviar comentários.
Iniciar uma sessão e enviar comentário Registar agora