Blog, Noticias, Legislação e Recursos para testes de ADN - Código ADN
Mostrar conteúdo actual em RSS feed

Blog, Noticias, Legislação e Recursos para testes de ADN - Código ADN

Recursos, Noticias, legislação e curiosidade sobre teste de adn e paternidade. Avanços na genética e nos testes de adn disponibilizados ao consumidor final. 


81 - 90 de 124 resultados
Publicado em por

Os vários tipos de Preços dos Testes de ADN

Ler contributo inteiro: Os vários tipos de Preços dos Testes de ADN

 

 

O teste mais importante que vai fazer merece um laboratório 100% fiável. Saiba que a CódigoADN™ garante 100% de fiabilidade em todos os resultados de ADN.

 

A verdade não tem preço...

 

Esta é uma das frases que utilizamos muito no nosso laboratório, contudo por vezes a verdade pode ter um preço muito elevado se o seu exame não for realizado num laboratório certificado, que garante 100% de fiabilidade.

 

Sempre fomos habituados a associar o preço com a qualidade, quanto mais caro mais qualidade tem o produto/ serviço.

 

Contudo, entenda que a maior parte dos preços que consulta no mercado são em clinicas de saúde que não tem a tecnologia para executar o teste, então ainda estão a sob contratar os serviços aos nossos ou outros laboratórios.

 

Na CódigoADN o valor pedido para uma clinica, farmácia, centro de enfermagem ou cliente final é sempre de 225€, não fazemos descontos em prol de quantidade, pois já reduzimos ao máximo o preço do exame de ADN para concluir o exame com 100% de fiabilidade.

 

Perceba que ao fazer o seu exame de ADN com a CódigoADN está a executar o seu exame diretamente com o laboratório, sem intermediários pelo meio, assim pode garantir o preço mais baixo com a qualidade mais alta.

 

Ao ligar com o apoio ao cliente, entende as potencialidades do laboratório, conseguimos logo informar se pode executar o seu exame de paternidade com as diversas amostras que nos possa enviar.

 

Contudo as amostras mais utilizadas para a execução de um teste forense seguido de um teste de paternidade são:

 

  • Teste de Paternidade com Unhas (dos pés ou das mãos, cortadas com um corta-unhas esterilizado)
  • Teste de Paternidade com sangue Seco (Normalmente recolhido num lenço de papel ou numa gaze)
  • Teste de Paternidade com Muco (Normalmente recolhido de um lenço de papel)
  • Teste de Paternidade com Cabelos (Lembre-se os cabelos tem que ser arrancados, a raiz tem eu ser visível)
  • Teste de paternidade com escovas de dentes (Normalmente desaconselhado pelos nossos serviços devido à baixa quantidade de ADN existente nas escovas de dentes)

preco_teste_de_adn

Ora com um range tão alargado de exames, a CódigoADN atribuiu um único preço a estes exames 299€ independentemente das amostras que utilize. Saiba que o preço final para o consumidor, independentemente se é uma clinica, médico, farmácia ou uma pessoa sem estar ligada à área da saúde é de 299€ com IVA - (incluí, kit de ADN para recolha de ADN e amostras, Exame Forense e Exame de Paternidade).

 

Como posso ter a certeza da qualidade do exame de ADN?

 

Vários são os aspetos para que possa aferir da qualidade do seu exame, contudo, pode verificar o número de marcadores genéticos utilizados, normalmente o instituto de medicina legal (IML) tem 17 marcadores genéticos, os exames comprados na internet sem ser diretamente ao laboratório variam entre 12 a 16 marcadores genéticos os exames da CódigoADN têm 20 marcadores genéticos podendo chegar aos 40 marcadores genéticos.

 

O que pode também ter em conta é quais os marcadores genéticos utilizados, saiba que existe legislação para regulamentar os exames de ADN, os marcadores genéticos estão definidos e devem ser utilizados os que se encontram na legislação portuguesa e na legislação europeia.

 

Na legislação europeia, estão definidos os marcadores genéticos que a Interpol, FBI e polícias trabalham entre si. Estes devem ser os marcadores privilegiados no seu exame de ADN.

 

Quer saber mais sobre estes marcadores clique aqui

 

Acima de tudo entenda, que os testes de ADN da CódigoADN tem uma fiabilidade de 100% o único laboratório que o garante a nível nacional, sem qualquer tipo de reserva.

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Violador encontrado 20 anos depois, após teste de ADN

Um tribunal holandês tem em fase de sentença, um violador acusado de 7 violações e 16 agressões sexuais entre o período de 1995 a 2001.

 

teste_de_adn_tribunal

 

Mas como é que conseguiram, após estes anos identificar o violador?

Gerald T. foi recentemente julgado por um roubo de bicicleta e no processo da sua prisão, foi obrigado a fazer uma recolha de ADN. A amostra foi processada e enviada para um banco de dados que indicou a coincidência do seu ADN com o ADN encontrado em crimes praticados à 20 anos atrás.

 

Este caso passou-se na cidade de Utrecht, nos subúrbios da universidade e campus desta cidade, mais de 300 pessoas foram questionadas na altura entre os anos de 1995 e 96, na época, devido aos ataques consistentes e alarmantes as autoridades viram-se forçadas a tomar medidas de segurança extremas e uma caça ao homem foi organizada, uma das maiores da época.

 

Foram inclusivamente, já em 1995 criadas estações de testes de ADN voluntárias para quem quisesse dar uma amostra de ADN, vchegou a ser noticiado que vários indivíduos do sexo masculino vestiram-se de mulheres com o objetivo de identificar o homem mais procurado da altura.

 

Gerald T. já tinha sido questionado pela polícia, entre mais de 300 indivíduos, mas como não se voluntariou para a recolha de ADN e sem mais provas a policia teve que o deixar sair;

 

Os ataques acabaram por cessar e a investigação foi encerrada em 2001.

 

Contudo, recentemente Gerald foi novamente convidado a doar uma amostra de ADN, desta vez não teve escolha e foi obrigado a doar o seu ADN.

 

Ao construir o caso contra Gerald T., por ter roubado uma bicicleta o advogado pediu uma colheita de ADN, visto que é obrigatório na Holanda todos os cidadãos acusados terem o seu perfil de ADN alojado na base de dados. Se em 1995, as pessoas tivessem sido forçadas a dar o seu ADN para a colocação na base de dados mais ataques podiam ter sido evitados?

 

Avaliando todos os fatos Utrecht é uma cidade com uma população de aproximadamente 225.000 pessoas, referente ao ano de 1995 é quase inconcebível que todos os homens fossem obrigados a dar uma amostra de ADN. É um conceito difícil quando se considera a colheita de ADN da maioria das populações existentes.

 

Já é uma realidade dos dias de Hoje em muitos países haverem programas para a colheita de ADN de pessoas detidas, e / ou presos. A teoria é que os criminosos são reincidentes e uma vez recolhidas as suas amostras de ADN duas coisas podem acontecer.

  1. O ADN pode identifica-los em casos que nunca tiveram um fecho;
  2. Atua como método preventivo, visto que agora eles sabem o seu ADN está "no-sistema."

 

Talvez, a doação de ADN à nascença possa ser obrigatória daqui a uns anos, mas várias questões éticas se levantam para o fato.

 

Apesar de já existir um conselho de fiscalização de base de dados de perfis de ADN que tem como missão: “O Conselho tem como missão garantir que o tratamento dos perfis e o acesso à informação se conformam nos limites dos direitos fundamentais e que a base de dados funciona no quadro da lei.”

 

E de ser facilmente racionalizável que: O cruzamento de perfis de ADN com dados de identificação pessoal resulta num meio poderoso e sofisticado de combate ao crime e num precioso auxiliar de identificação civil. Esta mesma ligação e o impacto de uma base de dados de perfis daquela natureza na privacidade e outros direitos fundamentais dos cidadãos, suscita grandes preocupações e justifica especiais cuidados no que respeita à salvaguarda e garantia desses mesmos direitos.

 

A lei portuguesa procura o equilíbrio entre a defesa dos direitos individuais e a eficácia da política criminal, interesses muitas vezes antinómicos, através da definição dos princípios e regras a que obedece a obtenção, guarda e utilização de perfis de ADN, da definição das normas de funcionamento da base de dados e, também, através da criação de uma entidade independente de controlo: o Conselho de Fiscalização da Base de Dados de Perfis de ADN.

 

Qual a sua opinião?

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Teste de Paternidade Pré-Natal a partir da 8ª Semana de Gestação

 

teste_adn_pre_natal

 

A Paternidade agora pode ser estabelecida com segurança antes de um bebé nascer a partir da 8ª semana de gestação,  na CódigoADN™ pode realizar o seu teste de paternidade pré-natal não invasivo em total segurança. Os laboratórios da CódigoADN™ utilizam uma tecnologia patenteada bioinformática - parental Suporte ™.

 

Após vários testes está confirmado a fiabilidade do teste, com resultados altamente precisos com uma quantidade mínima de ADN (ADN fetal) – superior a 99,9%. A CódigoADN™ oferece o único teste disponível para determinar de forma confiável a paternidade a partir de uma amostra de sangue materno logo à 8ª semana de gestação.

 

Este procedimento de extração de ADN é totalmente seguro para o feto e para a mãe, apenas precisamos de uma colheita de sangue a partir da mãe grávida.

 

O que mudou no nosso teste de ADN pré-natal?

  1. O teste de paternidade pré-natal pode ser realizado a partir da 8ª semana de gestação;
  2. O pai já não precisa de uma amostra de sangue, podemos realizar a colheita na cavidade bucal;

 

1Certficacoes_CodigoADN_Teste_de_adn_PATERNIDADE_600

 

Porque deve fazer o seu teste na CódigoADN™

  • Teste totalmente seguro para a mãe e o filho(a);
  • Resultados em 7 dias úteis;
  • Realizado a partir da 8ª semana;
  • Empresa portuguesa registada na comunidade europeia;
  • Profissionais de saúde habilitados para a realização da colheita de ADN;
  • Apenas recolhemos sangue na mãe;
  • Recolhemos uma amostra de ADN na cavidade bucal do PAI;
  • Presença em todo o território nacional;
  • Realização do seu teste em laboratório certificado;

 

As diferenças entre os laboratórios da CódigoADN™ e outros laboratórios

Os testes de paternidade não são todos iguais

 

Comparação de Testes de Paternidade Pré-Natais

Caracteristicas do Teste

CódigoADN™ LAB A LAB B LAB C

Fiabilidade acima de 99,9%

certo_teste_de_adn      

Realizado a partir da 8ª Semana

certo_teste_de_adn

Após 14ª Semana

Após 10ª Semana Após 11ª Semana

Laboratório não precisa de confirmação após o nascimento

certo_teste_de_adn   certo_teste_de_adn  

Laboratório Certificado

certo_teste_de_adn certo_teste_de_adn certo_teste_de_adn certo_teste_de_adn

Empresa Registada na comunidade Europeia

certo_teste_de_adn certo_teste_de_adn   certo_teste_de_adn

Profissionais de Saúde Habilitados para fazer a colheita em Portugal 

certo_teste_de_adn certo_teste_de_adn    

Sem qualquer risco para a mãe o feto e para o PAI

certo_teste_de_adn   certo_teste_de_adn  

 

 

Fale com o Apoio ao cliente sem qualquer compromisso, esclareça todas as suas dúvidas

 

apoio_ao_cliente_codigoadn1

 

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Alerta: Relatórios Falsificados

Ler contributo inteiro: Alerta: Relatórios Falsificados

Caro Cliente,

 

Chegou ao nosso conhecimento que têm aparecido relatórios falsificados, em nome da CódigoADN™.

 

Tenha em atenção que um relatório emitido pela CódigoADN tem sempre que apresentar dois carimbos e duas assinaturas.

 

Em caso de dúvida ligue com os nossos serviços, já ajudamos muita gente a verificar que os relatórios que estavam em sua posse eram falsos.

Devido à falsificação dos nossos relatórios, não iremos colocar online como deve descobrir se o relatório que tem em sua posse é legítimo. Quando desconfiar que o resultado não é legítimo ligue com o apoio ao cliente nós ajudamos.

 

apoio_ao_cliente_codigoadn1

 

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Um email recebido... dúvidas sobre Quimeras - Testes de ADN

Ler contributo inteiro: Um email recebido... dúvidas sobre Quimeras - Testes de ADN

 

No seguimento de de um email de um nosso cliente, que não vamos identificar, pareceu-nos oportuno publicar as respostas que enviamos por email, visto que responde a potenciais dúvidas que poderão estar presentes nos nossos clientes.

O email do n/ cliente colocava as seguintes questões:

--

Caros Senhores/as,

Obrigado pelo vosso excelente servico.
 
Tenho apenas algumas questoes a colocar:
 
1 - Quanto tempo guardam as amostras enviadas?
2 - Ainda sera possivel - e ate quando - juntar uma outra amostra de um outro alegado pai? Pelo que entendi no vosso site, bastaria adquirir o Kit extra para um segundo alegado pai.
3 - E normal duas pessoas aleatorias - nao familiares - partilharem seis marcadores em exclusivo, ou dez(contando com os 4 que a mae possui)?
4 - O que me tem a dizer em relacao a potenciais quimeras? Tenho lido bastante acerca do assunto, inclusive este artigo no New York Times(em ingles): 
 
http://www.nytimes.com/2013/09/17/science/dna-double-take.html?_r=0
 
Esperamos que seja um artigo esclarecedor, principalmente quanto à pergunta 4.
 
17GENO2-articleLarge
 
A CódigoADN™
 
Bom dia Caro (...)
 
Obrigado pelo seu email.
Relativamente às suas questões.
 
1. As amostras são destruídas assim que o exame está completo e o relatório enviado para o cliente. Só ficámos em posse de amostras de ADN de testes que têm valor legal.
 
2. De facto pelo acima exposto já não é possível juntar, ou utilizar o Kit extra, visto que já não temos as amostras. Se pretender efetuar um novo teste, infelizmente, a recolha terá que ser feita em todos os indivíduos em teste.
 
3. Não entendemos muito bem a sua pergunta, principalmente a segunda parte que nos pergunta se pode partilhar Dez marcadores em comum a contar com os da mãe;
Primeiro permita-nos esclarecer que um marcador é constituído por 2 alelos, um maternal e um paternal, se o alelo pertence à mãe (alelo maternal), logo, não pode também ser um alelo paternal;
Em segundo gostaríamos de explicar que é normal dois indivíduos aleatórios partilharem ADN, até porque, o ser humano partilha a mesma matriz biológica, por isso é que todos temos um cabeça, dois braços, um nariz, dois olhos etc...
No seguimento do exposto e respondendo à sua pergunta, sim é normal duas pessoas aleatórias terem alguns marcadores de ADN em comum.
 
4. Relativamente a um dado individuo ter mais que um perfil de ADN, já é atualmente uma preocupação presente para os laboratórios forenses. Mesmo antes de se ter exposto na opinião pública que embriões se podiam juntar num só e herdar dois perfis de ADN.
 
Numa simples transfusão de sangue, transplante de medula óssea, transplante de um órgão, ou até mesmo quando uma mulher está grávida (tem dois perfis de ADN o seu e o ADN do feto), estas pessoas devem informar o laboratório a fim de se poder conduzir exames extras de provação, antes de serem sujeitos a testes forenses para averiguações de vínculos biológicos. 
 
Não podemos diminuir a validade/fiabilidade de um teste de ADN apenas porque existe uma possibilidade de mutação em certos indivíduos. Até ao momento esta é a prova mais definitiva para estabelecimento de vínculos biológicos. Claro que se nos perguntar diretamente se existe a possibilidade de um individuo ter dois perfis de ADN (teremos que lhe dizer que é muito pouco provável, mas sim, poderá haver casos em que de fato exista a fusão de dois embriões);
 
Repare que estas pessoas com dois perfis de ADN são casos raros, ao contrário do que se faz passar no artigo que nos indicou e quem o diz é a experiencia de milhões de testes de ADN realizados pelo nosso laboratório.
 
Para uma melhor compreensão vamos recorrer ao funcionamento do laboratório: 
 
Na maior parte dos casos de testes de paternidade a mãe participa no teste de paternidade, ora se isto fosse um caso assim frequente era normal quando se entrasse na primeira fase do teste de paternidade, comparação do ADN da criança com o ADN maternal chegássemos à conclusão que afinal a mulher que submeteu o ADN não era a mãe da criança, porque afinal a senhora tinha dois perfis de ADN, ou até mesmo a criança tinha dois perfis de ADN, repare que existe a possibilidade dos dois lados de teste falhar, tanto da mãe como da criança.
 
Ora estamos em condições de lhe garantir que tal não se sucede, mais podemos garantir-lhe que em Portugal milhares de testes já foram conduzidos pelo nosso laboratório e nunca aconteceu tal fato, ou seja o ADN da mãe biológica não ser coincidente com o ADN da criança, porque algum dos elementos tinha dois perfis de ADN presentes.
 
Disponiveis para qualquer outro esclarecimento,
 
Atentamente,
CódigoADN

 

Ler contributo inteiro
Publicado em por

A humanidade e os testes de ADN

Ler contributo inteiro: A humanidade e os testes de ADN

 

Retirado do Artigo # Editing Humanity da revista The economist

Ler artigo original em inglês no seguinte link: http://www.economist.com/news/leaders/21661651-new-technique-manipulating-genes-holds-great-promisebut-rules-are-needed-govern-its

Declaração: A tradução do artigo, por vezes pode refletir opiniões do autor, não estando explicita no artigo original.

 

O genoma é escrito num alfabeto de apenas quatro letras. Ser capaz de ler, estudar e comparar as sequências de ADN dos seres humanos e de milhares de outras espécies, tornou-se rotina no dia-a-dia.

Com o aparecimento desta nova tecnologia a edição de informações genéticas tornou-se rápida e barata.

 

► Esta tecnologia pode corrigir defeitos genéticos terríveis, que “estragam” vidas. Contudo também anuncia numa perspetiva distante que os pais podem construir os seus filhos na hora.

 

adn_virus___01

 

A tecnologia é conhecida como CRISPR-Cas9, ou apenas CRISPR. Trata-se de um pedaço de ARN, um mensageiro químico, concebido para orientar uma parte do ADN e uma enzima, chamada de nuclease, que pode cortar genes indesejados e “colar” novos. Existem outras formas de edição de ADN, mas CRISPR mantém a promessa de fazê-lo com simplicidade sem precedentes, velocidade e precisão.

 

adn_virus___02

 

Um grande número de pesquisadores têm entrado no campo da CRISPR para desenvolver terapias para tudo, desde a doença de Alzheimer ao cancro, HIV , entre outras. Ao permitir que os médicos coloquem apenas os genes de caça de células cancerosas para o sistema imunológico do paciente, a tecnologia poderia levar a novas abordagens para a oncologia.

 

► Levará anos, talvez até mesmo décadas, antes da CRISPR ser usada para “fazer” bebés projetados. Contudo na comunidade científica já se levantam vozes ferozes e indignadas.

 

Em abril cientistas da China revelaram que tinham tentado usar CRISPR para editar os genomas de embriões humanos. Embora esses embriões não pudessem desenvolver-se em embriões viáveis, estas experiencia poderão um dia ser manipuladas por razões não terapêuticas ou valorização não-médico.

 

Essa é uma barreira que alguns não vão querer atravessar.

 

Muitos cientistas, incluindo um dos inventores do CRISPR, querem uma moratória sobre a edição de células "linhagem germinativa" que dão origem às gerações seguintes. A Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos planeia uma conferência para aprofundar a ética de CRISPR. O debate é extremamente necessário. CRISPR é uma benção, mas levanta questões éticas profundas.

 

► A única maneira é ética

 

A ética divide-se em duas categorias: práticas e filosóficas. A barreira imediata é prática. Para além de reduzir o ADN pretendido, CRISPR encontra frequentemente alvos noutro local, também.

É aceitável que para alguém com uma doença terrível, o risco de danos colaterais da aplicação da CRISPR talvez valesse a pena. Mas para aplicações com linha germinal, onde os efeitos colaterais seriam sentidos em todas as células, o barramento a aplicação desta tecnologia deve ser elevado. Pode levar uma geração para assegurar que a tecnologia é segura. Até então, os casais com algumas doenças genéticas podem conceber usando fertilização in vitro e selecionar embriões saudáveis.

Além disso, embora seja inundado com dados de sequência genética, a biologia ainda tem um aperto tênue sobre as origens de quase todos os traços interessantes e complexas na humanidade.

Acaba por haver muitas vezes um trade-off entre algumas capacidades e outras (poderá não ser um tradde-off win-win. Um menu à la carte de atributos parece muito distante. No entanto, a ciência progride de fato, como o sequenciamento genético mostra, às vezes faz isso com uma rapidez impressionante. Assim, os cientistas têm razão em estar pensando agora sobre a melhor forma de regular CRISPR.

Isto significa responder às perguntas filosóficas.

 

Há aqueles que se oporão à CRISPR porque permite que os seres humanos façam o papel de Deus.

 

Mas a medicina intervém rotineiramente na ordem natural das coisas de poupança de pessoas de infeções e parasitas. As oportunidades para o tratamento do cancro, salvar as crianças de doenças genéticas e compreender os diabetes é uma de justificações para avançar.

 

A questão mais pertinente é saber que direito tem o ser humano de editar células germinais, fazendo a alteração de células que deveriam ser herdadas.

 

Esta questão é proibida em 40 países e restrito em muitos outros. Não há nenhuma razão para a proibição da investigação ou uso terapêutico: alguns países, justamente, permitem a investigação em embriões humanos, contanto que eles são deixados ao longo de fertilização in vitro e não são cultivadas por mais de 14 dias.

Um dilema mais profundo no respeito à utilização de CRISPR para fazer ajustes discricionários para o genoma de uma pessoa. Chega um ponto em que a terapia (remoção de genes que dão origem ao cancro da mama ou início precoce à Alzheimer) pode ser um melhoramento genético. Contudo a abordagem correta é ser cauteloso e liberal: o ónus deve ser sempre sobre a sociedade, justificando quando e por que é que é errado editar o genoma.

 

CRISPR, mais feliz, mais produtivo;

 

Não é demasiado cedo para destes princípios chegar a regras. Alguns países podem ter lacunas na sua legislação ou de má aplicação, deixando os cientistas financiados pelo sector privado ou clínicas de fertilidade realizar pesquisas CRISPR não regulamentada.

A abordagem conservadora e meticulosa feita pelo Fertilização Humana e Embriologia do Reino-Unido pela Autoridade que regula o ADN mitocondrial é um modelo. Os reguladores também devem monitorar o uso de CRISPR em espécies não humanas. Mudando genomas dos animais para espalhar traços desejáveis - mosquitos que transmitem a malária seria, por exemplo, um enorme benefício. Mas o risco e consequências imprevistas significam que tais "unidades de genes" deve ser proibida, a menos que possa ser revertida com contramedidas comprovadas.

 

Se CRISPR pode ser utilizado de forma segura em seres humanos, também serão necessários mecanismos para lidar com o consentimento e igualdade.

 

A edição do Gene aumenta o espectro dos pais que fazem escolhas que não são, obviamente, no melhor interesse de seus filhos. Os Pais podem por exemplo querer aumentar a inteligência de seus filhos a qualquer custo, mesmo que isso afeta as suas personalidades em outras maneiras.

 

E se é possível alterar os genes para um aumento de Q.I. esta opção deve ser limitada aos ricos?

 

Estas questões têm que ser pensadas e reguladas, contudo também não se pode tornar o CRISPR em algo obscuro ou obstruir o seu progresso. O mundo tem ao seu alcance uma ferramenta para dar às pessoas uma vida mais saudável, mais longas e de melhor qualidade.

Este princípio deve ser abraçado?

 

Veja uma conferência da fundadora no evento TED

https://www.ted.com/talks/jennifer_doudna_we_can_now_edit_our_dna_but_let_s_do_it_wisely#t-776242

 

Ler contributo inteiro
Publicado em por

A CódigoADN na "The Pharmacy Show"

Ler contributo inteiro: A CódigoADN na "The Pharmacy Show"

 

A CódigoADN™ esteve presente na feira internacional "The Pharmacy Show" - @pharmacyshow, #PS15, realizada no Reino Unido, Birmingham. Na contínua procura de servir mais e melhor os nossos utentes, a códigoadn aposta sempre na formação, nacional e internacional e na representatividade internacional dos seus serviços em testes de adn.

 

Consulte o site da Feira aqui: www.thepharmacyshow.co.uk

 

Estamos Orgulhosos da nossa prestação na Feira. O valor de Portugal e dos nossos serviços é reconhecido internacionalmente. Numa busca incessante por satisfazer cada vez mais e melhor os nossos utentes, informamos que devido a uma nova parceria firmada nesta feira iremos expandir o nosso portefólio de serviços.

Algumas fotos da feira:

 

Pharmacyshow_codigoadn_testedeadn

# Entrada para a feira, no Pavilhão NEC

Pharmacyshow_codigoadn_testedeadn_1

# Apoio do associação farmaceutica e do Ministro da Saúde do Reino Unido

Pharmacyshow_codigoadn_testedeadn_2

 

Pharmacyshow_codigoadn_testedeadn_3

 

Pharmacyshow_codigoadn_testedeadn_4

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Base de dados de ADN – Teste de ADN – Quais os marcadores Obrigatórios?

Ler contributo inteiro: Base de dados de ADN – Teste de ADN – Quais os marcadores Obrigatórios?

 

Quais o marcadores obrigatórios segunda a lei portuguesa num teste de ADN?

 

Na realidade podemos afirmar que não existe legislação para este tipo de teste, contudo, extrapolando da portaria de 270/2009 de 17 de Março podemos verificar que o ministério da justiça e da saúde fixaram 8 marcadores genéticos na base de dados de ADN que será criada a nível nacional.

Podemos ler na referida portaria que além dos 8 marcadores genéticos obrigatórios é de facultativa introdução mais 16 marcadores opcionais de forma a base de dados ser compatível com a INTERPOL e comunidade cientifica europeia e norte-americana.

 

Veja abaixo o extrato da portaria de 17 de março:

 

A escolha de marcadores de inserção complementar inclui os restantes marcadores usualmente utilizados pela INTERPOL e pela comunidade científica internacional, permitindo um aumento a capacidade discriminativa, independentemente dos sistemas multiplex actualmente existentes. A previsão da utilização destes marcadores, ainda que não de inserção obrigatória, permite assim, para além de elevar o poder de discriminação, uma maior compatibilização com outras bases de dados europeias e evitar situações de falsas coincidências.

 

Repare que os Laboratórios da CódigoADN têm o cuidado de utilizar não só os marcadores obrigatórios na legislação portuguesa como os restantes que são utilizados pela INTERPOL, de forma ao nosso relatório ser válido em qualquer espaço Europeu ou Mundial.

 

Então existem 7 Marcadores genéticos obrigatórios que são:

 

► vWA; THO1; D21S11; FGA; D8S1179; D3S1358; D18S51; e a amelogenina que permite identificar se o ADN é masculino ou feminino a partir da seguinte descrição:

 

Sabe-se que um perfil de ADN é:

► Masculino quando na Amelogenina aparece X Y

► Feminino quando na Amelogenina aparece X X, ou apenas X

 

Segunda a legislação portuguesa um perfil genético tem como introdução complementar os seguintes marcadores:

TPOX; CSF1P0; D13S317; D7S820; D5S818; D16S539; D2S1338; D19S433; Penta D; Penta E; FES; F13A1; F13B; SE33; CD4; GABA.

 

Verifique no exemplo abaixo de um perfil de ADN os marcadores que a CódigoADN extraiu num típico exame de ADN. No teste de ADN abaixo pode-se verificar que os marcadores que estão assinalados a vermelho são os marcadores obrigatórios na legislação a azul estão os marcadores opcionais.

 

Teste_de_adn_marcadores_obrigatorios

 

Faça aqui download da portaria de 17 de março 270/2009 (documento em PDF)

Contudo ainda no relatório acima podemos verificar que existe um perfil genético feminino, para isso podemos nos recorrer da Amelogenina , identificado na primeira coluna com a identificação do X. Quanto à segunda coluna verifica-se que é um perfil genético masculino pois a Amelogenina tem a identificação XY.

 

Como ler o resultado do teste de ADN?

Em primeiro lugar, é necessário explicar que um perfil de ADN é sempre constituído por duas colunas com o tamanho de dois alélos referentes a cada marcador. Ou seja:

► O Alélo Maternal e o,

► Alélo Paternal

Contudo em laboratório não é possível determinar qual é o alélo maternal se o número da esquerda se o da direita a única informação que temos é que um marcador é constituído por dois alélos, um dos alélos pertence à mãe biológica e outro ao pai biológico. Tentámos reproduzir essa aleatoriedade dos alélos com retângulos, envolvendo o tamanho dos alélos, para exemplificar que qualquer alélo pode pertencer à mãe ou ao pai.

Veja abaixo uma figura exemplificativa.

Marcador_genetico_alelo_maternal_e_paternal

Repare que na imagem acima os dois alélos são do mesmo tamanho, contudo entenda que se trata de uma imagem exemplificativa na realidade, é normal que os verdes ou os azuis tenham um comprimento diferente.

 

Porque aparecem alélos nos relatórios dos testes de ADN em que o espaço é branco?

 

Na realidade, acontece muitas vezes aparecerem espaços em branco nos relatórios, na imagem abaixo assinalamos esses espaços a branco na cor violeta.

Teste_de_Adn_alelos_em_branco

Repare que os espaços em branco apenas aparecem na segunda coluna do tamanho dos alélos e nunca na primeira, isto deve-se ao facto que na realidade este espaço não é branco mas uma repetição do alélo anterior.

Segundo as normas cientificas internacionais, da qual o nosso laboratório obedece rigidamente, um alélo repetido nunca deve ser escrito, ou seja, na realidade deve-se repetir exatamente o número anterior do alélo pois estes são do mesmo tamanho.

O relatório devidamente preenchido para uma leitura deve ter a seguinte representação:

teste_de_adn_relatorio_com_todos_os_alelos

 

Após serem completados todos os espaços em branco do relatório podemos verificar se existe uma relação integral entre os perfis genéticos dos dois indivíduos em teste.

O presente relatório é positivo, ou seja, a probabilidade de paternidade é superior a 99,999%, logo verifica-se que a criança ter herdou um dos alélos do pai em cada marcador genético.

Veja abaixo a comparação desta vez com a cor laranja:

 

teste_de_adn_relatorio_com_perfil_genetico_do_Pai

 

Facilmente se pode concluir que para cada marcador genético a criança herdou um alélo paternal, logo com toda a certeza podemos dizer que existe uma correspondência entre os dois perfis genéticos extraídos, conclui-se que existe uma relação biológica entre os indivíduos no teste de paternidade.

 

Dúvidas? Ligue com o nosso apoio ao cliente:

apoio_ao_cliente_codigoadn1

Ler contributo inteiro
Publicado em por

13 Perguntas da Revista Maria à CódigoADN sobre Testes de Paternidade

Ler contributo inteiro: 13 Perguntas da Revista Maria à CódigoADN sobre Testes de Paternidade

 

Revista Maria Ed. 1920 (pag.70 à 73)

Intervenientes na Entrevista: CódigoADN; IML (instituto de medecina Legal); Jurista Ana Maria Pinto

 

A CódigoADN foi abordada pela revista Maria afim de poder esclarecer o público em geral como proceder à execução de um teste de paternidade. Devido à limitação dos artigos, as respostas foram curtas, mas sucintas de forma a serem o mais esclarecedoras possíveis.

 

No presente artigo iremos apenas colocar as perguntas que nos foram feitas e como respondemos, contudo ao longo de uma série de artigos iremos aprofundar cada pergunta individualmente de forma a que o leitor possa ficar esclarecido sobre todos os pontos específicos para a realização do teste de paternidade:

 

revista_maria_teste_de_paternidade

App

Veja abaixo as 13 perguntas que a Revista Maria nos fez sobre Testes de Paternidade:

 

O que é um teste de ADN?

Na realidade um teste de ADN é normalmente e erradamente associado a um teste de paternidade, contudo um teste de ADN pode ser um:

► teste de adn de paternidade (estabelece um vinculo biológico entre um suposto pai e a criança)

► teste de adn pré-natal (estabelece um vinculo biológico entre o feto em desenvolvimento e um suposto pai, o teste pré-natal realizado com a Códigoadn é totalmente seguro para o feto e para a mãe, não utilizamos qualquer procedimento evasivo)

► teste de adn entre irmãos ( estabelece um vinculo biológico entre dois irmãos, permite saber se não partilham nenhum dos progenitores, partilham um progenitor ou partilham ambos os progenitores)

► Teste de ADN (perfil de ADN), normalmente é um documento emitido, devidamente autenticado por um notário, que tem o perfil genético de um individuo.

► Teste de ADN com avós paternos (permite estabelecer o vinculo biológico entre os netos e os alegados avós;

► Teste de ADN nutricional, onde é possível saber as necessidades nutricionais de um dado individuo.

etc(...)

 

Para que serve?

 Dependendo da finalidade um teste de adn, poderá ser utilizado para:

 1. Estabelecer um vinculo biológico entre duas pessoas,

2. Documentar o seu perfil genético para utilização futura, por exemplo casos de herança, etc...

 

Quem pede o teste de ADN? Pode ser pedido por qualquer pessoa?

Dependendo do teste de ADN, qualquer pessoa pode pedir o teste de ADN. Contudo em casos de estabelecimentos de vínculos biológicos (teste de paternidade) pode fazer qualquer pessoa desde que ambas as partes estejam de acordo em realizar o teste em casos de pessoas de maior de idade.

Quando envolve um menor, assegurando o supremo interesse do menor, pode pedir o tribunal, o ministério público, o pai ou a mãe do menor.

 

 O que serve de amostra? E como é tirada?

 Normalmente os testes são realizados com:

► Células epiteliais bucais (retirada a partir de zaragatoas);

► Uma amostra de sangue (desde que assegurados algum pré-requesitos:

- Não ter tido nenhuma transfusão de sangue, transplante de medula óssea, nos últimos três anos e não estar grávida)

 Quando uma das pessoas intervenientes nos teste já morreu (encontra-se ausente sem possibilidade de obtenção de amostra), pode realizar-se um processo através de uma análise forense para obtenção de ADN aí podemos utilizar as seguintes amostras:

► unhas, cabelos com raíz, escovas de dentes, sangue seco, (em suma qualquer material que possa ter material biológico da pessoa, quanto menos pura a amostra genética menor a probabilidade de obtenção de uma perfil de ADN válido)

 

Em que situações o fazem?

 Em várias situações desde que assegurados todos os procedimentos legais.

 

Quanto custa fazer o teste? Há preços diferentes? (Porquê?)

Um teste de paternidade informativo custa 225€ se os dois intervenientes utilizarem células epiteliais bucais (já com IVA incluído). Contudo os preços podem variar entre os 225€ e os 1599€ (em casos de teste de paternidade pré-natais Não evasivos);

 

Se eu quiser fazer um teste de ADN, que passos tenho de dar?

No caso da CódigoADN™, basta que ligue para o apoio ao cliente, ou solicite uma reunião presencial, nos indique o motivo e em que condições pretendem fazer o teste, poderá optar por 3 situações diferentes:

1.Realizar em uma das nossas clinicas,

2. Podemos pedir a um dos nossos enfermeiros para ir a casa do utente,

3. Ou pode ainda receber um dos nossos kits para recolha de ADN em casa, o envio e o kit de ADN são gratuitos (qualquer pessoa o pode pedir ou levantar nas nossas instalações PORTO ou LISBOA desde que maior de idade), tendo o utente apenas que pagar o exame em laboratório na altura da entrega das amostras. Se nunca nos entregar as amostras não exigimos qualquer tipo de valor ao utente.

Procedemos desta forma, para que o utente tenha um período de reflecção, quanto à realização do teste de paternidade.

 

Onde posso fazer o teste?

Pode fazer o teste em qualquer parte do mundo. Em Portugal a códigoADN tem pontos de recolha de ADN no Grande Porto, Lisboa e Portimão e disponibiliza enfermeiros para recolha de ADN em qualquer ponto do país.

 

Qual o grau de fiabilidade?

A fiabilidade de um teste de paternidade é de 99,999% desde que garantidas as seguintes condições:

► Não haver troca de ADN, por parte do cliente, quando nos fazem chegar as amostras à CódigoADN;

► Não haver contaminação das amostras;

 

É precisa alguma autorização especial para fazer?

 Não, contudo o supremo interesse da criança deverá estar salvaguardado em caso de ser um menor.

 

Como são apresentados os resultados?

Os resultados são apresentados com o nome dos intervenientes e todo o seu perfil genético e marcadores utilizados para a realização do teste. Após o perfil genético é apresentada uma breve conclusão onde estabelece ou não o vínculo biológico entre os intervenientes. O exame vai assinado pelo diretor clinico e carimbado pela CódigoADN

 

Quanto tempo demora a obter os resultados?

Em situações normais entregamos os resultados em 5 dias úteis após as amostras estarem em nossa posse.

 

Estes testes podem ser feitos prova em tribunal?

Depende como for feita a recolha de ADN:

Se a recolha for feita em casa, ou nos fizerem chegar algum material biológico, a CódigoADN não tem forma de atestar a proveniência da amostra, pelo que estes testes não são válidos em tribunais.

Contudo se estes testes forem feitos nos nossos pontos de recolha de ADN, e as pessoas forem formalmente identificadas os nossos testes podem ser utilizados para iniciar uma averiguação de paternidade em Portugal, ou podem ser utilizados em tribunais internacionais como USA, UK etc...

Em Portugal estamos limitados a apresentação de testes judiciais no decorrer de uma averiguação de paternidade em tribunal, porque a Lei de 2004, diz que apenas o IML (instituto de medicina legal) pode realizar o teste de paternidade quando requerido pelo tribunal, com exceção, se o IML nomear outro laboratório, devido à sobrecarga de análises em curso.

 

App

Ler contributo inteiro
Publicado em por

Teste de Paternidade, Famosos e Hollywood.

Ler contributo inteiro: Teste de Paternidade, Famosos e Hollywood.

 

Com tantas celebridades de esperanças e tantos nascimentos de bebés, parece que o que de mais importante acontece nos bastidores de Hollywood é um aumento dos testes de paternidade ADN.

 

Pense em todas as vezes que foi surpreendido ao saber que uma das suas celebridades favoritas está num processo de acusação de paternidade! Sim, há o 'quem está namorando quem, ", mas assim que há um bebé a caminho, todas as revistas cor-de-rosa, pesquisadores, foto jornalistas, entre outros criam um drama à volta da personalidade colocando em dúvida quem será o Pai biológico da criança.

 

As celebridades são um alvo.

 

Claro, que o cenário lhe parece familiar. Os Famosos “celebridades”, normalmente irradiam aquele “espirito Selvagem”, têm sempre boa cara e uma grande reputação. Ricos, bem-sucedidos e talentosos!

 

Até um passado recente as mulheres que se encontravam sobre tamanho escrutínio da sua vida pessoal, normalmente utilizavam sempre a mesma estratégia:  um sem número de acusações antes de ceder e realizar o teste de paternidade.

Em primeiro o rumor, depois as acusações públicas e só no fim, sem alternativa se submetiam ao teste de paternidade. Atualmente Hollywood já não é assim, quanto mais as celebridades tentam esconder, mais depressa se sabe, as acusações deixaram de ser estratégia e os testes de paternidade de adn, são algo banal para as celebridades.

Vários casos são conhecidos sobre testes de paternidade, o mais recente é o de Chris Brown, onde o próprio quer realizar o teste de adn o mais rápido possível, pois, tem intensão de provar que ele é o pai, pois pretende passar mais tempo com a sua filha Destiny de um Ano.

 

Simplesmente Faça.

 

Não há nada de errado com a realização de um teste de paternidade de ADN. Na verdade é uma das decisões mais inteligentes que uma pessoa pode fazer. Saber ao certo se é o pai de uma criança em particular ou não. Não importa quanto dinheiro ou fama uma pessoa tenha. Nenhuma criança deve crescer sem o amor, apoio ou presença de seu pai biológico, mesmo se um dos seus pais é uma celebridade. Saindo do campo emocional, em termos de saúde ninguém tem o direito de ocultar o passado genético de uma criança.

 

Contudo, podemos afirmar que os Famosos “Celebridades” estão a dar um grande exemplo para muitos dos seus fãs em relação aos testes de paternidade de ADN. Eles não hesitam quando o seu nome é lançado à comunicação social, como um dos pais potenciais. Reconhecem que quanto mais cedo descobrirem se são ou não os pais biológicos da criança, mais rápido conseguem sair da exposição mediática e lidar com a situação, assumindo todas as responsabilidades, se assim lhes couber tal responsabilidade.

 

Se pretende fazer um teste, ou se tem dúvidas não deve hesitar. É importante para a saúde da criança e para si que toda a verdade seja esclarecida.

 

Os famosos que fizeram testes de Paternidade:

 

Justin Bieber (Cantor)

Aos 17 anos, Justin Bieber passou por um momento delicado. A jovem Mariah Yeater, de 20 anos, abriu um processo de paternidade contra o cantor alegando que ele é o pai de seu bebé de três meses.

 

Cistiano Ronaldo (Futebolista)

Em 2010, Cristiano Ronaldo também este perante um caso destes, apesar de nunca se ter apurado a história com veracidade, especula-se que este após confrontado que era o pai biológico da criança realizou um teste de paternidade e assumiu todas as suas responsabilidades como o pai da criança.

 

Eddie Murphy

Em 2007, o ator terminou o relacionamento com a ex-Spice Girl Mel B e negou ser o pai da criança que ela esperava. Ele fez o teste de paternidade e ficou provado que este era o pai de Angel. Depois de um processo judicial, este reconheceu a menina como filha.

 

Pelé

Em 1991, Sandra Regina Machado entrou com um processo alegando que o jogador era seu pai. Depois do teste de paternidade, ficou comprovado que ela era sua filha. Em 1995, a justiça declarou Sandra filha do rei. Pelé recorreu 13 vezes da decisão.

 

Keanu Reeves:

Em 2009, uma canadense entrou com um processo contra o ator alegando que os seus quatro filhos eram dele. Keanu fez o teste de paternidade adn e o resultado foi negativo, mas a mulher continuou a afirmar que ele era o pai e chegou a dizer que Keanu usou hipnose para adulterar o resultado dos testes.

 

Michael Jackson:

O Rei do Pop foi alvo de vários processos de paternidade. Uma mulher chamada Billie Jean, como na música em que ele canta “o garoto não é meu filho”, tentou provar que tinha engravidado do cantor. Em 1994, os advogados de Michael usaram o ADN do ex-marido da mulher para provar que o cantor não era pai da criança.

 

Existe um sem número de pessoas famosas a realizar testes de paternidade, ora para provar a sua inocência como para assumir as suas responsabilidades. O teste de paternidade é a forma mais definitiva de provar uma relação biológica.

Ler contributo inteiro
81 - 90 de 124 resultados